sexta-feira, 20 de abril de 2012

O homem-flor e sua gravata

Imagem: Larissa Pujol

Ele é um homem-flor.
É uma fotografia minha feita com tripé. No entanto, ele não usa vestido e - tampouco - decotes em suas camisas. Ele usa gravata - Quer melhor símbolo masculino do que uma gravata? - Não há! Gravata é um pênis têxtil em que a feminutude calcula, por puro instinto animal, o tamanho do tecido, compara as cores e as estampas visíveis daquele que a veste. É um costume dos nossos cinco olhos, dos óculos, e dos olhos raivosos dos nossos cônjuges, porém.

Imagem: Larissa Pujol

- Realmente... - Blabloseou o homem-flor com seu sutil biquinho nos lábios.
E os olhos do mulherio direcionam-se para o nó de sua gravata que encobre um pomo-de-adão. Os olhos deliciosamente escorrem por toda aquela gravata como uma prancha passa-roupas. O homem-flor abre um botão do seu terno para a alegria feminil daquela arena. Alegria em ver a ponta da gravata - se é alongada, larga, estreita - muitos enredos são criados pelas fantasiosas estranhezas femininas no fundo d'um regaço. A casaca levemente se abre... E um desenho virginal é o encarte colorido no fim daquele pedaço de pano [...]

*Obs.: Certifico, na forma da lei imaginária, que a presente estória está conforme a que me foi apresentada na relidade. Conferi na ficção e dou fé.