Pular para o conteúdo principal

O fragrante e o versejado

Assim ele me tocava com versos. O perfume, palavra presente nas rimas, e a indagação dos seus olhos suspeitam da minha atenção. Hipnoticamente, eu-calada, mantenho-me à deriva de todo o conhecimento já obtido entre os objetos: por causa do aroma suspenso no que seria dito. Dita-me, pois, o proveito do teu dístico. Este em perfume cuja Terra suspira demonstrando a fecunda vida que se desperta a partir de um nada, apenas exalando.
Enquanto o termo natural assume o comum e a esfinge, a linguagem vaporada é misteriosamente declamada em sua pétala de expressivo adorno, folheando os beijos que, por ventura, se tornariam delicadas escrituras naquilo que se procura. A tua idade, declamador, é experiente de cheiros. Selvagem e lascivo, ora, diretamente a mim tu me esculpias a imagem da poesia e do perfume nos quais as frases ressaltavam a sonoridade das pétalas (reafirmo). Por completo sentimos a poesia que nos aliena dos ali presentes, bem analisados uma a outro, outra a um, na proximidade factual do som e do olor.
O poema em segredo te falando, Declamador, se desprende da robustez encadernada e penetra, pouco a pouco, pelas entranhas curiosamente reveladoras de mistérios. O olfato, também outro segredo, lentamente nos avisa que a intimidade se manifesta nas névoas de frêmito entre espíritos. Vacante é o poente ainda, embora clame por Passado.  
O perfume suspiro em surdina! Ele, meigo, acaricia tudo que em mim há corpo. Neste momento, cifro as volúpias dos violões de Cruz e Souza enquanto a veludosa voz tua cita-me as fragrâncias roçando a epiderme. Os cabelos meus recaem rubros sobre parte da fronte como o cetim de um véu que denuncia o florescer dos lábios, para ti, prontos para serem, por fim, carnes. O seu êxtase está na demora. Sensação maravilhada pelo inédito da delícia, deveras, mesmo que haja provado em outras vontades do seu longo tempo, será novo gozo das sensuais ilusões. - Declamador, o aroma te trouxera um novo gozo das sensuais ilusões?
Seja pela fantasia em viva-voz, o néctar da poesia que em mim buscas possui exalado amoroso quando, dos versos ditos, a absorção se torna a fortuna ensaiada antes de um contato. Poema teu cujas mãos naturais, simples e enigmáticas, friccionam a pétala na insistida fragrância que possa, talvez, se guardar em tempos de inverno. Ele se refere ao meu perfume recém percebido ao versejar seu estímulo beijo naquilo que jamais o adormece. Semelhante ao cheiro, brando se próximo e intenso se me adentra, tua perceptiva sonoridade armazena entre nossas visões as possíveis momentaneidades de uma estrofe provocada.
O paradisíaco noturno enleva nossa investigação, Declamador. Aspiras-me em teus versos de rodopios valsados esperando que os movimentos meus volatilizem a peculiar entre-pernas neste sinuoso manejo - leve e rápido ou lento e nervoso - vai-vem de um lânguido requebrado. Nas expirais subindo... Este balanço vagaroso de ruídos sufocados e liquefeitos.
Até o dia retornar, Declamador, jazer nossos corpos um ao outro no bálsamo unânime do sonho seria prazer das almas. Flores acompanham os espíritos e declaram sentimentos: ambos vivem. Liberta a natureza comum e esfinge nos levando alegria e pesar. É o perfume que assim visa o transe extremo entre concepção e a decomposição.
Interpela-me ele em versos inalando o promíscuo suspiro longo da flor que encontrou. A essência, aviso, inda que golpeie ferozmente, nunca tolhe o gozo dos polens. A alegria exalada de um perfume acusa aquela intuitiva presença cujo rastro apura a vontade alheia do retorno. No ambiente se propaga, nos poemas se versa!
A madeira concentra em mim o seu cativeiro. Através do que não defino, mantenho o controle nas mãos, fazendo de conta que não...  Sentes a carícia aveludada de uma resposta aromática que te dê o tempo para conhecer seu final? Penetrar na casa de uma mulher desabitada descobre o seu olfato ansioso pela criatura escondida - divina de músculos e de sensibilidade arisca. Estremece, portanto, o som de perfume na tua voz para sempre gravada nas melhores canções.
A pausa de tuas rimas, audível olfato, como o silêncio da madrugada, transfere os sentidos da visão para o espírito palpar, enfim, o cumprimento da saudade que engana com a impressão de nos aproximarmos. Ilusão é perfume que te transporta a mim enquanto a poesia traça tua memória silenciada. Em teus versos, frouxo se torna o caminhar do céu através dos movimentos do perfume. Acima e abaixo fazes flutuar os gemidos das pulsadas almas carregando a atmosfera de sentidos abstratos e fixos em nossas mucosas.
Animais são influenciados pelo cheiro: imperceptível permissão minha de te fazer sugar o alvéolo da poesia. O aroma que sentes é a respiração exausta entre os seres e os seus objetos, uma azáfama que esparsa a boca no seu florescer de carne. Brisa que recém instalada te vibrou os acordes das sinestesias. Acontece o poema que me entregas explicando a delícia que se espalha.     

Postagens mais visitadas deste blog

Puseram a culpa

Puseram a culpa na pedra. Nesta que a água tanto bate até que fura. Nesta que Drummond encontrou poesia pelo caminho. Nesta pela qual João Cabral construiu sua educação.
Tem uma chuva vinda de vez em quando para lhe escorrer temporais fios de cabelo. Um e outro pássaro que ali pousa enfeitando com asas a suposição pesada de voar. Pessoa que ali se escora, pisa, senta e evapora a própria condição concreta de ser humano.
A vegetação morre, a pedra ali espera. É iludida. Não tem consciência da morte. Tem como companhia o dia, a noite e todo sentimento que se despede. A pedra ali espera. Uma lufa lhe acaricia nunca a deixando só.
A sós com sua rija confiança, o elemento cinza, pesaroso ao olhar dos outros, não elenca na sua cegueira quem nela se deposita. Machuca, às vezes, quem a ela chuta, por pura educação primitiva de ser pedra.
Bem sabe ela do tempo. Não mais respira, mas aguarda e inspira. Morte dos outros apenas... Os minerais de Augusto dos Anjos já a permanecem sem que ela nasça. Os…

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…