sexta-feira, 27 de julho de 2012

Terra próxima geração, redoma!

É o que vemos: um cemitério prenhe; a digestiva gente reclamada à saudade. Tal discussão que brindáramos bastou à redoma do céu, este globo somente em nossos olhos. Constrói a cera cá em terra o sentimento de menino ajoelhado – veja as penas aladas surgidas do dorso ereto em gesso – mas perca-se na cinza aberta que vê.
Vestiu a pressa com educada serventia: uma pessoa de qualquer bondade nos planos de si.
– Acoberta de tempo este presságio. – Ordena o cemitério prenhe e sensível.
Este necessita o terreno para gerar os destinos nunca vistos e receados. Perigoso nascimento caso cresça a infanta intuição prevista nos sermões.
Aqui se concebe e se enterra. A ideia é apenas uma permissão da vida para se chegar a um proveito de criança; tal visa à montagem da própria casa sem saber que embora nascido esteja em geração... Formosura repartida por gêneros para confessar a mise-en-abyme da extinção. O porquê está nos filhos que roubam pouco a pouco sua beleza. Vagarosa pele voltando ao amontoado substantivo rezado.