sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Com licença vocacional: é a vez de vocês, meus pioneiros...

Apresento-me nos dias antes de conhecê-los com uma colher de chá para a timidez, porém com livre vontade de amá-los. Seus rostos, eu chamarei de filhos, suas peraltices, também chamarei de filhos e seus afagos confirmarão a tinta engendrada neste ventre vocacional. Incipiente, eu?! É apenas a idade minha antes de conhecê-los...
Assim desenho um assento visando outro assento no local de cada genética, para mim, transparente. Assemelho, aniquilo os sentidos; é-me defensável e defeso suas condições neofisiológicas até presenciá-los nos cadernos...
Aproximam-se vocês da minha direção com significados distintos, um por um explicados no contexto de mim. Adorno-me de propriedade para construí-los! Emprego os mesmos pilares entre si e mantenho a efetiva relação irradiante que tocam o universo para auxiliar, fundir, confundir as suas variedades... Ah, deveras, isto é “tão” Semântico! – Não se preocupem! Cuidarei ao inseri-los... Caso pareça estranho, formaremos expressões que participem o encontro da boa-nova.
Considero cá o plantio feito durante meus dias antes de conhecê-los... Uma fonte diria que reproduzo o novo como sempre apareceu, a impressão. Bom, eis a qualidade rudimentar de ensaiá-la.