sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Um risco pela novidade interessante

Alar a imaginação – pede o exercício prático do rabisco... Seria cinismo este ensaio de fadiga pronta na desculpa do sonho? Vê, meu bem, a expositiva visão ao monte que alcanças e o apoio de teu braço... Este te pesa a vontade, tu adiantas, mas e se recordáramos tudo que há vivido a ficção ao saltar teus olhos da janela?!
Como Ismália, somos o preenchimento idealizador entre os mundos, um sobre e outro sob nós... Ousamos asas, mas corremos o risco de pousar em crateras provocadas pelos tropeços dos outros. Nunca desfaça o teu ar, meu bem, teu suporte de condução e lançamento do próprio corpo...   Cuida-te.
Quão paciente a atividade, uma proposta mansa e obediente. A boiada segue a sina do trabalho ante o pensamento outorgado de valer à pena; E como este tarda a chegar, meu bem... No entanto para a crescente qualidade a imaginação criou novo espírito durante o traço cansado da face...
... Na confiança do mesmo assim...
Aprende a beleza através do que te abstrai. Desconstruir-se é um dom limpo condizente com o período lutuoso das águias... Tal origem em surdina alimenta nações de possibilidades com direito à contrariedade, caso opte pela vontade de viver...