sexta-feira, 21 de junho de 2013

Coturnos

Imagem: Larissa Pujol

Coturno que afofa a terra
Tiro que fura a nuvem
Guardiões de verde
Bandidos na chuva

Piso forte
Tiro ou morte
Suicídio dos guardiões 
Homicídio dos ladrões

Um pé, dois pés
Braços estendidos
Epopéia ao revés
Anti-heróis armados
Guardiões vassalos
Novo tiro...

Coturno de sola gasta
Um, dois, mil pés
Braços curvados
Arma sem bala
Tiro de saliva
Projétil de sangue
Guardiões suicidas

Ratos da sanga
Profanas tumbas
Cantemos Chico!
Coturnos abertos
Pés roídos
Terra afofada pelas solas
Carcaças afofadas de tiros

Mil pés...
Afofando a terra marrom
Várias carcaças na chuva
De olhos abertos
De peito furado
Guardiões suicidas
Leis homicidas...

(Poema publicado no livro Versos Transeuntes Verbos Ausentes, 2010)