Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2013

Quinto e último período (ou V ato)

Como definir a noção de ensino ou educação? Como investigar o ensino ou educação e como ocorre? O que é, afinal, educação? É ela de berço, da vida, das ruas, fármaco ou hormonal? Ensina uma história ou histórias diferentes? Haveria uma história de como se estabelecer a idade da Educação? Uma genealogia capaz de pôr as opções bipartidárias de questionamento e obediência numa construção variada? Seriam os fatos ostensivamente naturais da educação produzidos discursivamente por várias teorias científicas a serviço dos interesses políticos e sociais? Se o caráter imutável da escola é contestável, talvez o próprio construto chamado Educação seja tão culturalmente constituído como um “ensino”.
Na escola, professores e alunos são reforçados com uma série de situações relacionadas ao modo de vestir, ao modo de gesticular, ao modo de estudar, ao modo de ensinar, ao modo de entender o conteúdo, ao modo de comunicar, ao modo de referir-se através de contornos societários bem explícitos... A ed…

Quarto Período (ou IV Ato)

A serotonina e a dopamina são substâncias produzidas por todos os corpos. Suas quantidades podem ser modificadas por alimentação, tranqüilizantes, bebidas ou drogas. Após algum tempo de tratamento ou ingestão contínua é possível perceber o aumento da disposição no trabalho, raciocínio rápido e acúmulo de afazeres sem que isso cause desgaste físico e psíquico...
      E se eu tenho um giz? Sim, um giz à frente de todos. É um giz! Eu tenho conteúdo? No âmbito das características educacionais, eu tenho um articulador docente. E vocês nunca viram um giz falhando... Pois eu já vi lousas borradas de ensino! Nos cadernos que vocês escrevem, alunos, eu não posso calcular o tamanho do seu entendimento; e com as suas perguntas, eu não deduzo como são os seus ouvidos... Assim, por definição, eu não sei o que vocês são.
      Portanto, não são os cadernos, não é o livro didático... Seriam os neurotransmissores humorados e dispostos? Serotonina e dopamina. Ritalina... Se esse fosse o caso…

Terceiro Período (ou III Ato)

O critério da educação prescrito pela nossa sociedade em seus códigos de leis e tradição é o critério da obediência. E esse critério é utilizado ao longo de séculos durante a história. Está intensamente introjetado em nossas veias e em nossa psique, que quando uma pessoa demonstra interesse pela aprendizagem do outro, afirma-se como certo que esta pessoa será um professor, uma professora.
    A educação é a nova religião da modernidade; e o sistema monetário também toma essa proporção, pois tem a capacidade de criar e descrever a realidade. O feito da tecno-educação contemporânea transforma a nossa ansiedade depressiva em Rivotril, a nossa impotência em estatutos sem deveres, a nossa paciência em café e a má-educação em Ritalina! Como saber se o nosso colega é um professor? Porque o vemos e o ouvimos gesticulando corpo e voz na sala de aula ao lado... Porque ele se mostra como professor... Porque ele se identifica como professor... Porque ele se comporta como um professor...
   …

Segundo Período (ou II Ato)

Sempre fui criada para ser uma filha professora. Para o Poder: cuidado, veio outra professora! Sempre me trataram como professora. Eu podia fazer coisas que meus amigos e colegas não podiam fazer... Eu podia preferir Dias Gomes, Nelson Rodrigues e Agatha Christie às “fadas”, podia interagir com a crítica sem que me ordenassem para “não me intrometer”, podia mandar e desmandar, podia olhar firme, podia desafiar, podia ter coragem, podia ler Marx, podia ter giz e um mini quadro-verde como brinquedos... Meus amigos eram alunos; e eu, professora.
    Meu nome é Larissa e eu questiono a construção da identidade docente. Meu nome é Marcelo e eu questiono as classificações. Meu nome é Andréia e eu questiono a idealização do professor. O meu nome é João Eurico e eu questiono se para ter um salário quase digno, sou obrigado e ter mais de sessenta horas semanais de trabalho. O meu nome é Susana e eu questiono o alinhamento docente. Eu questiono os livros didáticos, a leitura obrigatória, …