Pular para o conteúdo principal

Ah, pais!

Uma tarde verídica de sol. Década de 80.

- Começou a contar. Corre!
Comigo veio um molequinho de cinco anos, cabelo penico e castanho escuro - é ruim não me recordar de seu rosto... Pele clara e só! Com os lábios que morderam os meus... – Vestia uniforme no tamanho certo, mas sujo de recreio e aula de pintura. Eu, por ventura, aos quatro anos, conseguia conservar o verde lavado e o símbolo histórico do colégio, embora arriscasse na correria até a Sala de Música.
- É um bom lugar aqui. – Encolhi-me toda sob as teclas do piano – Tu cabes. Vem!
Os minutos naquele esconderijo passaram com ambos suaves e quietos. Quem batia cara na parede contando para que nos escondêssemos jamais pensaria naquela sala, logo, começamos uma cuidadosa traquinagem para degustar nossos lanches com pouco ruído. Enquanto ele mordia seu pastel de carne, olhou-me com dúvida. Tragou o pedaço seco e disse:
- Quero saber um negócio que vi...
Não me importei com aquele suspiro. Tratava de desembalar uma moedinha de chocolate.
- ... entre meu pai e minha mãe, sabe?!
- O quê? – Perguntei com a maior inocência da cegonha.
- Assim, olha! – Colocou-se de joelhos na minha frente, me pegou pelos ombros e me deixou na mesma posição que a sua. Respirou...
... e aquela mordida cheia de curiosidade preencheu meus lábios, imediatamente doloridos e com gosto de pastel. O molequinho, percebendo meu ai, respeitou e não usou os dentes para continuar respondendo a questão... Agora, apenas os seus lábios faziam a vez (mastigada) do que ele acreditava acontecer entre seus pais. Ah, quem diria? Nem os pais diriam que algum tempo depois de nossas precárias idades saberíamos que era somente um beijo... Por ora, tivéramos a impressão que o corre-corre adquiria percepções interessantes: um por que, um quê comestível e um ai...

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Troca

Troco meus pensamentos em ti por um carinho teu. Pode ser pouco, mas é honesto.  Troco qualquer retrato que eu tenha feito do teu conhecido sorriso pelo teu conhecimento sobre o que eu sinto, mais a generosidade da tua compreensão.  Tua imagem poderia somente causar estremecimentos em mim, mas ela insiste em transbordar no mundo, ou, talvez, transformar o mundo através de qualquer abraço fora de hora, uma mensagem de apreço permeada de boas risadas, lembranças e uma despedida minha desculpada pelo tempo curto do meu labor ou por eu tentar mostrar a fingida vaidade de ser livre e sem propriedade. Mas te tenho um ato de amor. Amor que não sabes. Não sabes, mas troco minha vontade de ser guache na vida por um apego a ti. Mas te tenho afeto de janela aberta... Amor livre em que não me importa a aliança que carregas na mão esquerda de teu limite. Esquerda, involuntariedade cardíaca... Limite. Leio-te na cartomancia do teu matrimônio um Machado. Uma ironia pincelada com a tinta da galhofa …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …