sexta-feira, 28 de março de 2014

E este vão...

Num suspiro brando quis-se o ocaso, quis-se com ele a alvura d’alma pressagia naquela porta cantada. As ditas semelhanças não mais se incluíram em olhares claros à rima dos corpos. Decompõem-se algumas verborragias declaradas cuja antiguidade fora a matéria buscada... Fósseis de fomos, um ataúde completo de gargantas pulsadas enquanto lá, um dia, se correra. Ao Deus plácido que nos inspirou de peito, chega-se à casa amorosa, porém distinta e alheia. Desabitada e infinda. Golpeada em nós e em nós atendida.
Que loucura receberia? A partida? O indício malévolo soado na campainha desta arquitetura condenada, flagrada frente à catedral séria e de vigilante altitude... O grau d’Aurora desalinha a marcada hora; não obstante, poderá garantir o terreno há pouco escondido na liberdade.
Tem-se faminto qualquer animal de espelho carnoso! A crendice que se joga suicida em sua criada armadilha logo é amparada na sua própria solidez (acompanhada de diversos rastros). Cobrira, pois, os riscos já idos de frescas e de imponência zelosa para o mesmo retorno...