Pular para o conteúdo principal

O desígnio do conto

Os alheios a questionavam sobre seu feitio solidário. Jamais pensou em fazer algo parecido. Em meio ao fluxo da Rua Venâncio Aires, com passos largos que apontavam o medo do atraso, Helga se dirigia à imobiliária. Era corretora de imóveis, conhecia todas as casas, subia escadas de dois em dois degraus... Um dia, ao sair de um prédio, avistou uma banca de churros e o cheiro da fritura lhe atraíra os salivares famintos.
    - Empacota dois para mim.
    - Qual o sabor, senhora?
    - Doce-de-leite. – respondeu Helga. – Os dois. – reafirmou.
    Um jovem surgiu nos fundos da vendola, estava com a camiseta e o cabelo úmidos. Indicava que havia corrido pelo Calçadão inteiro em busca de ingredientes e resolvera disfarçar seu cansaço nas frias gomas do gel fixador. Ele olhou para Helga e sorriu. Seu cabelo apresentava uma franja para o lado direito, e realmente, ele parecia muito menino para encostar seu rosto naquela lâmina de barbear...
    - É seu filho? – Perguntou Helga.
    - Enteado, senhora. – a mulher disse.
    - Você estuda? – Perguntou Helga ao menino
    Ele olhou para o rosto da madrasta e não respondeu. Então a corretora se dirigiu a mulher:
    - Não acha que ele deveria estar agora numa sala de aula?
    - Acho que sim. – ela disse.
    - Eu posso arranjar. – solucionou Helga.
    Naquele momento, Helga não pensou que pudesse fazer uma benfeitoria daquele tamanho. Entretanto a força que lhe inspirava já a fazia esquecer da escola.
    - Mas ele me ajuda aqui. – hesitou a vendedora de churros.   
    Helga pagou os dois churros e foi ao caixa eletrônico mais próximo. Ao retornar o menino já estava com suas roupas embrulhadas numa sacola de mercado. Pegou a trouxa na mão, não olhou para trás e se foi ao lado de Helga. Entraram no carro. 
    - Você gosta dela? – perguntou ao jovenzinho.
    - Não. – falou baixo, olhando para o tapete – Para onde a gente vai?
    - Para casa – disse ela com a mesma suavidade que os pneus contornavam o quebra-molas – é melhor você tirar esse aparelho de barbear do queixo.
    A mulher tomou o barbeador do moçoilo. Dirigiu por toda a Rua Floriano em direção à Avenida Presidente Vargas, entrou no condomínio e conduziu-se ao apartamento levando o menino pela mão. Helga disse que no dia seguinte comprar-lhe-ia roupas novas e que lhe arranjaria uma escola. O garoto pediu para assistir telenovela, mas antes foi tomar um banho. Helga entregou-lhe a toalha e mostrou como se usava o chuveiro - coisas modernas. Voltou para a sala e ligou a televisão.
    Quando ele terminou o banho, ficou por mais alguns instantes frente ao espelho. Ele estava novamente usando seu aparelho de barbear próximo a boca...
    E o resto, conta-nos Helga, nos exageros de sempre, foi mais ou menos o que se comentou nas fofocas dos vizinhos.

Postagens mais visitadas deste blog

Puseram a culpa

Puseram a culpa na pedra. Nesta que a água tanto bate até que fura. Nesta que Drummond encontrou poesia pelo caminho. Nesta pela qual João Cabral construiu sua educação.
Tem uma chuva vinda de vez em quando para lhe escorrer temporais fios de cabelo. Um e outro pássaro que ali pousa enfeitando com asas a suposição pesada de voar. Pessoa que ali se escora, pisa, senta e evapora a própria condição concreta de ser humano.
A vegetação morre, a pedra ali espera. É iludida. Não tem consciência da morte. Tem como companhia o dia, a noite e todo sentimento que se despede. A pedra ali espera. Uma lufa lhe acaricia nunca a deixando só.
A sós com sua rija confiança, o elemento cinza, pesaroso ao olhar dos outros, não elenca na sua cegueira quem nela se deposita. Machuca, às vezes, quem a ela chuta, por pura educação primitiva de ser pedra.
Bem sabe ela do tempo. Não mais respira, mas aguarda e inspira. Morte dos outros apenas... Os minerais de Augusto dos Anjos já a permanecem sem que ela nasça. Os…

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…