Pular para o conteúdo principal

Obséquio amigo

O mural da escola anuncia o resultado... Foto: Larissa Pujol.
O encontro, como labaredas do fogo, corre depressa por toda a cidade. O grande corpus arde em chamas. A grande sanguínea está incendiada. A pessoa fica estarrecida. Entre nós desenrolam-se como línguas de dragões gigantescos, as caudas do fogo amado a bater o chocalho furioso das faíscas varando veloz o céu fincado pelo vento. Cresce o fogaréu, e mais, sempre mais, aumentando a sarabanda do suplício de tanta gente que busca o fim no atropelo das horas. Fica na crônica o mais emocionante e trágico cotidiano que se tivera. A fogueira das pilastras ósseas marca angústia profunda de amar, isso tudo em momentos que a força e o saber humanos parecem capitularem irremediavelmente.
A trêmula história registrada por nosso corpo entre as sombras de fumaça-cidade esbatida nos horizontes é relembrada como uma advertência: aconteceu entre nós. Nós, envolvidos pelas chamas instintivas, resultando num espetáculo dantesco de proporções inusitadas. Sofre-se a mesma estupefação. Para mais um capítulo de drama abandonado, tentando a salvação das criaturas, cabe o possível e o impossível sentimento. Em minutos apenas, as chamas crescem, avultam, assombram. O mesmo amor irmana as criaturas! Alguém procura se agarrar à vida improvisando um jeito de salvar-se. Se o seu sofrimento imenso não é menor expectativa sofrida pelo espectador que, não resistido ao olhar, acompanha os lances emocionantes que o alvo, revelando incrível vontade de amar, vai praticando. Aí temos a confirmação das palavras de Robert McNamara: o homem é um animal racional dotado de incrível capacidade de fazer loucuras.
Incêndio pleno, poderoso, amedrontador. A vontade de amar-viver como que dá uma força extraordinária à pessoa que prossegue tentando entusiasmo ao unir-se à jovem que tem a mesma disposição e está contando com o apoio nu d’alguém. Mas, o auge do horror! Enganar-se tem sua pior frustração. Os desesperados em liberdade, querendo viver, vêm ao encontro da morte. É o ponto supremo da tragédia. Não existe quem se não emocione diante de um sentimento tão amargurante.
Dominando milênios, o fogo, às vezes, se lembra de sua natureza selvagem e, escapando aos controles, ameaça a vida de todos. É quando o homem esquece os conhecimentos que acumulou ao longo dos tempos e reage como o primeiro de sua espécie ante as chamas da floresta desejada: foge. E mais das vezes: morre.
É o jovem casal apegando-se à ideia de amar...
O grande amor, como os grandes incêndios e os grandes rios, nascem pequeninos; mas todos se esquecem de manter a calma. Comovedora solidariedade do amigo vai animando circunstantes generosos, todos de gestos tresloucados de pânico total na soberba das gotas. Eis que soube manter o sangue frio em meio ao inferno surpreendente. Salva como prova dita: a calma é regra básica que pode orientar o comportamento d’uma pessoa cercada pela intranquilidade de todos numa situação de desespero. Pessoa ajuizada: bem-vinda à vida.
Como um adeus à queimada das sombras de fumo esbatidas da terra assustada para um céu tristonho, fica o espectro do corpo. Trágico espectro torrado e chorado pelo cáustico das chamas apaixonadas que foram violentas. Uma imagem que apunhala o olhar saudoso de um substantivo amedrontado. O espectro do corpo sem estrado vale como advertência esperando providencia para nunca mais fatos iguais possam ser repetidos, e para que não tornemos a chorar mortos interiores, nem lamentar feridos em outras tragédias da angústia. Que seja lembrado: a dor existe onde a ilusão falha.

Postagens mais visitadas deste blog

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…

Mas aquele subterfúgio de te olhar casando...

Resistir, sofrer por antecipação isolando-se numa máscara de pausa tchekhoviana ao estender-se no palco dos teus olhos. O espetáculo é meu, mas antes lamurie para o meu silêncio a vaga dessa boca a estreitar-se do muito que lhe choro dentro de mim.
É uma oração! Clamo à Resistência na súplica a fim de que esse deus se convença e se infernize mais com o meu pensamento nela... Mas mais do ínferno satiriza-se o erro de não lhe falar... Mas não... A Resistência é a sabotagem da razão; um deus dela mesma que desta cruz na abertura dos seus braços a me saudar, eu fujo.
Que de boba eu não tenho um mínimo provérbio, apenas resisto. Amigo-me confortável no resquício laborioso igualmente assistido à sua palavra... Um fenômeno desfragmentado na sua verve sofista que mais crio a nós duas, futuramente.
Resistência: ela não quer. Desistência: ela me procura. Sigo-a. Ela fecha a porta. Não me deixa entrar.
Tenho de continuar a resposta para os lados... Não é o mesmo lugar quando outra se adora sobre o…