Pular para o conteúdo principal

Obséquio amigo

O mural da escola anuncia o resultado... Foto: Larissa Pujol.
O encontro, como labaredas do fogo, corre depressa por toda a cidade. O grande corpus arde em chamas. A grande sanguínea está incendiada. A pessoa fica estarrecida. Entre nós desenrolam-se como línguas de dragões gigantescos, as caudas do fogo amado a bater o chocalho furioso das faíscas varando veloz o céu fincado pelo vento. Cresce o fogaréu, e mais, sempre mais, aumentando a sarabanda do suplício de tanta gente que busca o fim no atropelo das horas. Fica na crônica o mais emocionante e trágico cotidiano que se tivera. A fogueira das pilastras ósseas marca angústia profunda de amar, isso tudo em momentos que a força e o saber humanos parecem capitularem irremediavelmente.
A trêmula história registrada por nosso corpo entre as sombras de fumaça-cidade esbatida nos horizontes é relembrada como uma advertência: aconteceu entre nós. Nós, envolvidos pelas chamas instintivas, resultando num espetáculo dantesco de proporções inusitadas. Sofre-se a mesma estupefação. Para mais um capítulo de drama abandonado, tentando a salvação das criaturas, cabe o possível e o impossível sentimento. Em minutos apenas, as chamas crescem, avultam, assombram. O mesmo amor irmana as criaturas! Alguém procura se agarrar à vida improvisando um jeito de salvar-se. Se o seu sofrimento imenso não é menor expectativa sofrida pelo espectador que, não resistido ao olhar, acompanha os lances emocionantes que o alvo, revelando incrível vontade de amar, vai praticando. Aí temos a confirmação das palavras de Robert McNamara: o homem é um animal racional dotado de incrível capacidade de fazer loucuras.
Incêndio pleno, poderoso, amedrontador. A vontade de amar-viver como que dá uma força extraordinária à pessoa que prossegue tentando entusiasmo ao unir-se à jovem que tem a mesma disposição e está contando com o apoio nu d’alguém. Mas, o auge do horror! Enganar-se tem sua pior frustração. Os desesperados em liberdade, querendo viver, vêm ao encontro da morte. É o ponto supremo da tragédia. Não existe quem se não emocione diante de um sentimento tão amargurante.
Dominando milênios, o fogo, às vezes, se lembra de sua natureza selvagem e, escapando aos controles, ameaça a vida de todos. É quando o homem esquece os conhecimentos que acumulou ao longo dos tempos e reage como o primeiro de sua espécie ante as chamas da floresta desejada: foge. E mais das vezes: morre.
É o jovem casal apegando-se à ideia de amar...
O grande amor, como os grandes incêndios e os grandes rios, nascem pequeninos; mas todos se esquecem de manter a calma. Comovedora solidariedade do amigo vai animando circunstantes generosos, todos de gestos tresloucados de pânico total na soberba das gotas. Eis que soube manter o sangue frio em meio ao inferno surpreendente. Salva como prova dita: a calma é regra básica que pode orientar o comportamento d’uma pessoa cercada pela intranquilidade de todos numa situação de desespero. Pessoa ajuizada: bem-vinda à vida.
Como um adeus à queimada das sombras de fumo esbatidas da terra assustada para um céu tristonho, fica o espectro do corpo. Trágico espectro torrado e chorado pelo cáustico das chamas apaixonadas que foram violentas. Uma imagem que apunhala o olhar saudoso de um substantivo amedrontado. O espectro do corpo sem estrado vale como advertência esperando providencia para nunca mais fatos iguais possam ser repetidos, e para que não tornemos a chorar mortos interiores, nem lamentar feridos em outras tragédias da angústia. Que seja lembrado: a dor existe onde a ilusão falha.

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Troca

Troco meus pensamentos em ti por um carinho teu. Pode ser pouco, mas é honesto.  Troco qualquer retrato que eu tenha feito do teu conhecido sorriso pelo teu conhecimento sobre o que eu sinto, mais a generosidade da tua compreensão.  Tua imagem poderia somente causar estremecimentos em mim, mas ela insiste em transbordar no mundo, ou, talvez, transformar o mundo através de qualquer abraço fora de hora, uma mensagem de apreço permeada de boas risadas, lembranças e uma despedida minha desculpada pelo tempo curto do meu labor ou por eu tentar mostrar a fingida vaidade de ser livre e sem propriedade. Mas te tenho um ato de amor. Amor que não sabes. Não sabes, mas troco minha vontade de ser guache na vida por um apego a ti. Mas te tenho afeto de janela aberta... Amor livre em que não me importa a aliança que carregas na mão esquerda de teu limite. Esquerda, involuntariedade cardíaca... Limite. Leio-te na cartomancia do teu matrimônio um Machado. Uma ironia pincelada com a tinta da galhofa …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …