Pular para o conteúdo principal

Corpos primos

Onde a atitude monástica permanece na loucura: sobre ser o alento, o tesão e a rara fonte de alegria na "altura" da vida de alguém... (Foto: Larissa Pujol)
Eu escolhia meus dedos enroscados, mas não perdidos, nos curtos fios secos que ele deixava acarinhar. Eu escondia e emulava um fio e outro na nuca nervosa daquele homem admirado com seu próprio sonho ali presente, observando entre sua pele anosa e seus cabelos um metafórico mármore grisáceo e desgastado de vida... Seu medo, assim, como lápide de cemitério, se esvaia do meio daquelas cinzas macias deixando um remoto frescor... Ele palpitava a respiração. Eu velava a vontade que no seu menino adormecia há mais de uma década, despertando-se a si mesmo quando os olhos fechavam e o tato o permitia sentir em minhas pernas uma expiação pela tortura.
Eram ruas de ladeiras asfaltadas entre semáforos e velocidades apontando o destino do tempo que corria. Lombadas em sua testa com sobrancelhas arqueadas, os sorrisos curvados de todos os “sim”, mãos que trocavam guias em minha pele. Nós, iluminados a dia, como toda multidão que escapava para baixo das marquises – linhas curtas de acordo com o mórbido inchaço da bola erguida que, ao encontrar qualquer magote, arrebentava qualquer esperança de sombrio alívio...
De fim para cá, enfim, casa! Trocou palavras para se mover no presente. Conseguimos chegar longe, longe de um ontem que se abandona... Não creu, e me aproximei da pungente tentação que o acabrunhava. Para seus lábios petrificados, ele aceitou responder-se a si que era capaz de. Tremeram-lhe as mãos com minha novidade. Sua pessoa, então, havia se integrado a verdade do seu próprio corpo. De Homem policiado, racional, nascido na Era Kubitschek, desintegrado e cansado passou a Menino saudável, corado e arteiro: Macho acima de tudo! Entregou-se a mim rejuvenescendo esse louco menino na correria do vento norte e cálido balançando os trigais, as flores, sua primavera... Deitou-se comigo sobre os minutos contados e recuperou em seu homem a vetusta alienação da nudez aproveitada.

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Troca

Troco meus pensamentos em ti por um carinho teu. Pode ser pouco, mas é honesto.  Troco qualquer retrato que eu tenha feito do teu conhecido sorriso pelo teu conhecimento sobre o que eu sinto, mais a generosidade da tua compreensão.  Tua imagem poderia somente causar estremecimentos em mim, mas ela insiste em transbordar no mundo, ou, talvez, transformar o mundo através de qualquer abraço fora de hora, uma mensagem de apreço permeada de boas risadas, lembranças e uma despedida minha desculpada pelo tempo curto do meu labor ou por eu tentar mostrar a fingida vaidade de ser livre e sem propriedade. Mas te tenho um ato de amor. Amor que não sabes. Não sabes, mas troco minha vontade de ser guache na vida por um apego a ti. Mas te tenho afeto de janela aberta... Amor livre em que não me importa a aliança que carregas na mão esquerda de teu limite. Esquerda, involuntariedade cardíaca... Limite. Leio-te na cartomancia do teu matrimônio um Machado. Uma ironia pincelada com a tinta da galhofa …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …