Pular para o conteúdo principal

Nas permissões da prata

Pelos olhos que a movimentavam. (Foto: Larissa Pujol)

Oleosa plástica nas mãos remediadas de preguiça, entre todos os capitéis de pústulas arrebentadas por alguma faísca de velhice. Ao próprio mar, fustes cujas arraias à sangue se inchavam de moléstias crescidas pela pintura a óleo... Enquanto ela pudesse aparecer com cornijas, aqui, o olhar argento a fazia num vazo romântico de sua repetência. Ah, quantas recordações sob sua guarida! O espelho é o melhor narrador em terceira pessoa. Pensamentos: altos dos elzevires numa vidrada visão espaçada entre alguns riscos e pontos sujos da própria condenação.
Por vezes perdida, pergunta ao ponto de se confiar se o cristal à frente pode ajudar... Ou se a única pessoa ao longe, mas dentro daquele cristal, pode encostá-la. Entretanto, uma dose, bebida depressa, a faz considerar a situação mais calma... O espelho já havia retido a imagem. Ela estava escondida novamente.
O ambiente, deixado entreaberto, sofria uma leve passagem de ar vindo de outras frestas. Ele se fechava à suas costas cobrindo-a e encobrindo-a. Somente para a pouca imagem, agora, ali refletida restam poucas horas... O espelho sempre tem pela frente um tempo amplo e propício. Às vezes gosta de nos possuir da maneira mais lenta e sustida. Figura de estima que muito se ergue para si, e por ventura, pelas palavras do outro, quando nos umbrais dos medos, permeia um sentido longínquo onde vela a palavra de um corpo onímodo. De si – o espelho nos observa – há outros ritmos e finalidades.

Postagens mais visitadas deste blog

Crônica epistolar

“Oh, paulistinha bonita”, inicia a estrofe cantada por Teixeirinha à luz da união entre os dois estados cuja saudade atravessa a ponte sobre o rio da milonga. Oh, minha paulistinha bonita! Um elogio de mimético desembaraço desta que a beija e a escreve com toda guarda divina que sua pessoa me tenta. Oh, minha paulistinha que de tão bonita é sua desfaçatez quando lhe digo que você tem angélica na cara... Deixando de lado os regozijos de uma “boca do inferno”, permeia-me a paz do convite a estar com você em meu colo com mimos de inha, tal qual a paisagem bucólica que cerceia a nudez feminina nas estampas dos lençóis sobre a cama desfeita. Meu odeon onde a cantiga sofre nas rimas de inha por todo carinho que lhe alcança nesta ponte. Paulistinha. Pequenininha. Um diminuto de tempo e espaço para que você caiba de amuleto no que posso chamar de meu. Eu a amo e ainda tenho tanto para amá-la... Amar como todas as épocas que divagam a poética pesquisa sobre amar e pecar, fugindo para qualquer ca…

O cuidado de amar com ciúme

- Não entendi por que ela destratou minha convidada. - Gente, e aquela hora que ela começou a arrastar as cadeiras, do nada, bem na fala da sua convidada? - Percebi nela uma falta de tato e um tanto de despeito, mas deixei para lá. Procurei deixar minha convidada o mais bem acolhida possível. - Pois é, um tema tão importante de palestra. - Ah, Larissa, cê que é mulher não entendeu? - O quê?! - Que ela estava se mordendo de ciúme! - Ahn! – abri a boca estupefata como se toda minha trajetória supostamente sábia até o doutorado caísse por terra tomada pelo tiro que me jogava morta na ignorância de não ver, diante de mim, um interesse feminino... - Hum... Acho que falei demais. Nós, bixa velha, sabemos de tudo o muito, mas pecamos em deixar transbordar indiscretamente... - E nem precisa! – fui tomada por uma alegria, na verdade, um salvamento. Meu D’us! – pensei – eu interesso a ela. Uma mulher cuja guisa estamparia os modelos franceses de arte; cujas palavras proferidas são ora a enciclopédia, or…

Depreendidas

Para bom poeta, meias bastam. Ter cautela ao andar para não pisar em desejos alheios. Se no mar, por vezes deixar-se inundar é forma de cravar os pés no chão. Nem sempre há desespero no descontrole. Essencialmente urbana, mas com um respirar de espaços bucólicos onde anda em mim um vestido jogado de morangos... Esquecer na perda do admirar as bobagens de amor que iria dizer. Sou da megalópole e me é intrínseco o concreto que assim me equilibra em grandes altos de alcance celeste – o mesmo que, em momentos silentes, recolhe a paz em meu rebanho e em grandes altos de ambição como a frase “Queria tanto que alguém me amasse por alguma coisa que eu escrevi”. Todo cansaço será recompensado? Na poesia parece óbvio. Na realidade, nem tanto. Para compensar: aquieta-te. Cansa teu olhar no meu, querida. Espera o melhor para colher o tempo de beleza resgatada no interior de nós. Vem, querida, descansa teu olhar no meu...