Pular para o conteúdo principal

O segundo começo com ela II

"Corujinha" "Wuho! A te estremecer, escondidinha, como poetizou Vinicius de Moraes" (Imagem: Larissa Pujol)

Um apartamento planejado para neutralizar ruídos. Lá dentro o dia esquecia suas horas. Poderia ser seis da tarde, como seis da manhã, três da tarde... Cortinas, sofás, tapetes compunham um cenário macio imerso em luzes indiretas. Dia ou noite, o lado externo – tão longe – não importava. Soltaram seus pertences pedagógicos numa mesa de vidro... Rhode se jogou toda aberta no sofá, recuperou uma boa cara de arquivo, e mais afável que no colégio, ria mais, sorria voando, tagarelava com o único compromisso de ser feliz... Mui linda, uma dádiva de D’us! Ela puxou sua colega pelo braço jogando-a em seu pequeno colo naquele móvel... A cabeça da menina se acolheu sobre o peito da rosa. Ali ainda restava algum pó perdido de giz... Rhode a acarinhava passando-se com unhas-arrepios nos braços e cafuné.
- Suor pedagógico. – Disse a garota professora sentindo o gosto úmido da outra pele feminina em seus lábios.
- Temos os melhores suores. Mas o mate lá no colégio, o calor, a caminhada e o dia letivo ajudaram a nos derreter ainda mais... Espera um pouco. – Rhode se desvencilhou da jogada que havia feito com ela, saiu descalça e pequenina até a área de serviço. Retornou trazendo duas toalhas e dois roupões.
- Estes são teus. – Entregou amavelmente – Vamos tomar um banho?
- Tu, primeiro. – Arfou e tremeu.
Rhode percebeu a insegurança da sua colega e resolveu compreendê-la. Afinal, muita didática paciente na hora de ensinar, pensou a experiente professora...
- Ok, minha menina. Do banho vou para o meu quarto. Espero-te lá. Também mereço uma massagem daquelas que tu fizeste numa colega nossa... – Disse em tom de convocação, encobrindo ciúme.
- Nossa, nem me lembrava mais! Foi na hora do recreio. Ela estava com dores fortes nos ombros e me pediu auxílio... Estava cheio de gente na sala dos professores, mas não me lembro de ter te visto.
- Não, realmente eu não estava lá; porém tenho meus informantes.
A aprendiz do outro feminino adorava o tom de perseguição de Rhode. Ficava claro – pensou – por que esta professora, que pediu massagem, se distanciara tão repentinamente da novata... Existem outros casos, mas é melhor deixar para o esclarecimento da perspicácia.
Rhode se dirigiu ao banho. De lá, avisou:
- Tem Ice e Keep Cooler. Água também. Fica à vontade.
Na verdade, a garota já estava, sim, com muita vontade! O álcool era desnecessário, mas bebeu uma dose de Ice para refrescar a imaginária situação que projetava em Rhode se banhando: suas pernas pequenas, seu corpo magro e cinquentenário, seus cabelos curtos, sua pele morena. Anuviou em seu prazer a espuma que se confundia com sua saliva amorosa de menina, escorrendo sobre os pelos pubianos da rosa, entre as coxas... Respirou fundo! Resolveu parar com tais platônicas. Haveria uma massagem somente, uma conversa para encerrar os assuntos e uma despedida para, enfim, poder voltar a sua casa, tranqüila... O chuveiro foi desligado juntamente com o último gole deglutido com ânsia. Terminou a garrafinha... Era a sua vez de tomar a pancada d’água. Esperou Rhode sair do banheiro e espiou da cozinha o balanço dela até o quarto... Estava linda naquele roupão rosa-bebê, com os cabelos molhados, gingando pequenina - quitou a parte da despedida... Não há problema se voltar uma ou duas horas mais tarde... Abaixou a cabeça e se foi ao banheiro sem olhar para os lados, talvez para não estragar as demais surpresas.
Tinha banheira com hidromassagem, um chuveiro belo com bocal largo que jorrava com ímpeto a tranqüilidade. Deixou suas vestes dependuradas sobre um armário baixo e mergulhou nas águas borbulhantes... Rhode deixou um olor forte e gostoso de floral vintage confortável que oferecia um ar milagroso de primeiro amor... Seus sabonetes, seus eau, seu gosto refinado... E a menina professora ali, pertencendo também aos seus gostos refinados! – Ah! – Deixou-se viver enquanto os jatos da banheira tremiam-lhe o corpo todo – por dentro também.
Secou-se, vestiu o roupão branco, calçou os chinelinhos que Rhode emprestou. Pensou na sorte de as duas calçarem o mesmo número, 35. Ouviu seu nome pesado na voz convocatória e urgente de Rhode. O quê fazer? Tornou a ouvir e respondeu-lhe calmamente um “tou indo” toda carinhosa.
Continua...

Postagens mais visitadas deste blog

Puseram a culpa

Puseram a culpa na pedra. Nesta que a água tanto bate até que fura. Nesta que Drummond encontrou poesia pelo caminho. Nesta pela qual João Cabral construiu sua educação.
Tem uma chuva vinda de vez em quando para lhe escorrer temporais fios de cabelo. Um e outro pássaro que ali pousa enfeitando com asas a suposição pesada de voar. Pessoa que ali se escora, pisa, senta e evapora a própria condição concreta de ser humano.
A vegetação morre, a pedra ali espera. É iludida. Não tem consciência da morte. Tem como companhia o dia, a noite e todo sentimento que se despede. A pedra ali espera. Uma lufa lhe acaricia nunca a deixando só.
A sós com sua rija confiança, o elemento cinza, pesaroso ao olhar dos outros, não elenca na sua cegueira quem nela se deposita. Machuca, às vezes, quem a ela chuta, por pura educação primitiva de ser pedra.
Bem sabe ela do tempo. Não mais respira, mas aguarda e inspira. Morte dos outros apenas... Os minerais de Augusto dos Anjos já a permanecem sem que ela nasça. Os…

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…