Pular para o conteúdo principal

O segundo começo com ela IV

Mais nova a beijando entre cabelos e costas para despertar ao som de I write a song for you...
- E aí foi porque eu gostei dela, porque queria entender a completude do que é ser uma mulher, e dei a ela todo o prazer que podia... Foi me puxando a ela até que eu pudesse dizer sim. Primeiro coloquei meus braços em torno do seu miúdo corpo. Os seus envolveram minhas costas com todas as mãos que o sentimento lhe dava. Ela me puxou para junto de si para que pudéssemos sentir o toque dos nossos seios. Pares perfumados. Sim, e o coração nosso disparava do mundo como louco... Sim, eu disse a ela: sim! Eu deixo sim, beijo sim, eu a amo sim!
- Ah, minha garota de quase trinta anos... Tu és a melhor James Joyce sobre a primeira vez entre duas mulheres...
- Não sei por que o igual ainda pode confundir tanta gente...
- Gente estranha essa! Tenta se completar no oposto, tão logo se esquece de si no outro que repele e repele, aos poucos, formando a infelicidade. – Começou a escolher peças de roupas para o dia inteiro enquanto sorvia com cuidado um mate recém feito...
- Essa gente perde tempo gerando estatísticas de reprodução.
- Gente que deixa de amar pessoas para amar gêneros...
- Ok, mas deixemos a gente amar-se livremente, cada qual com sua merecida entrega, Rhode... – Vestiu-se e tomou as mãos dela olhando-as fixamente... – Tenho um pedido: empresta-me o esmalte que tu usaste anteontem?! Entregar-te-ei amanhã no colégio. Hoje é meu dia de folga.
- Hahaha, claro, minha garota! Pega o que quiseres... Oh, está friozinho! Leva também este manto. Combina bem com teu colo macio, “minha” amor... – Teve mais uma vontade de despi-la, mas o dever se aproximava. Acalmou-se - Se a felicidade é estar com seu par; o par se faz com seu igual, né...  – Calçou seus saltos, pegou seu material de colégio. – Vejo-te no restaurante da esquina!
- Hoje é meu dia de folga, querida. Seria uma surpresa as duas almoçarem juntas se uma não esteve no colégio.
- No máximo vão imaginar que é uma reunião de sindicato.
- Hahahahaha. Mas tenhamos zelo, minha pequenininha... Conheço um café bom e discreto no centro. Eu te busco. Seis horas. Novamente às seis da tarde...
Caminharam de braços dados até a escola. Supostas boas amigas, parentes, irmãs, até mãe e filha passaram pelos pensamentos olhados daqueles que cruzavam por elas durante o trajeto. Foi a cada seis da tarde, seis da manhã que ambas trocavam em miúdos a espera, a cumplicidade, a paixão, a promessa, todas entre a dádiva da beleza em seu estado infinitivo: amar.



Lista de músicas:
- Fantasy. Earth, Wind and Fire
- Can’t hide love. Idem.
- I write a song for you. Idem.
- Can’t get you out of my mind. Lenny Kravitz.
- Play the game. Queen.
- Morena Flor. Vinícius de Moraes (com Tom Jobim)
- Pela luz dos olhos teus. Tom Jobim
- Wave. Idem
- Cotidiano. Chico Buarque.
- Valsa brasileira. Idem
- Trocando em miúdos. Idem.
- English folk song. Greensleeves.
- And I Love her... Beatles.
- Amar completamente. Laura Pausini.
- Dona. Roupa Nova.
- Minha flor, meu bebê. Cazuza.
- Pro dia nascer feliz. Cazuza (Barão Vermelho)
- Since I fell for you. Doris Day.
- Não existe pecado ao sul do equador. Ney Matogrosso.
- Reflections of my life. Marmalade.
- Venus. Shocking blue.
- San Francisco. Scott Mackenzie.
- Ne me quitte pas. Édith Piaf.
- The girl with the flaxen hair. Claude Debussy.
- Gymnopedies No. 1. Erik Satie.

Postagens mais visitadas deste blog

Puseram a culpa

Puseram a culpa na pedra. Nesta que a água tanto bate até que fura. Nesta que Drummond encontrou poesia pelo caminho. Nesta pela qual João Cabral construiu sua educação.
Tem uma chuva vinda de vez em quando para lhe escorrer temporais fios de cabelo. Um e outro pássaro que ali pousa enfeitando com asas a suposição pesada de voar. Pessoa que ali se escora, pisa, senta e evapora a própria condição concreta de ser humano.
A vegetação morre, a pedra ali espera. É iludida. Não tem consciência da morte. Tem como companhia o dia, a noite e todo sentimento que se despede. A pedra ali espera. Uma lufa lhe acaricia nunca a deixando só.
A sós com sua rija confiança, o elemento cinza, pesaroso ao olhar dos outros, não elenca na sua cegueira quem nela se deposita. Machuca, às vezes, quem a ela chuta, por pura educação primitiva de ser pedra.
Bem sabe ela do tempo. Não mais respira, mas aguarda e inspira. Morte dos outros apenas... Os minerais de Augusto dos Anjos já a permanecem sem que ela nasça. Os…

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…