sexta-feira, 10 de julho de 2015

Crônica epistolar: do meu leito...

Ah, este leito! Quão frio é o tecido na sua plástica receptiva. Pouco tempo ali observada, me pontuei aos olhos concretos sombrios que me encobriam. Minha amor, minha linda! Paradoxalmente tenho a falta do teu ninho! Entretanto, querida, prefiro que te mantenhas alheia ao que me lastima e adoece. Nada mais cruel seria para e em mim que causar-te desconforto. (7:36 a.m)
Rhode, minha colega, tuas mensagens, teus olhos, nossas bocas, nosso ser. Sorte abençoada que aproveito na tua moradia deste meu lado esquerdo, por ora, paralisado e dormente. Ainda aqui trabalham a sistólica e a diastólica maneiras, correndo vida nas idas do tempo, mas nas vindas do teu conforto, minha amor. Posso estar incompleta de corpo, mas de nós duas... Mais aspiro o oxigênio como de ti trago na boca o sentido amado que me dispõe teu prazer. (11:35 a.m)
O mais puro dos prantos se derrama espalhando a linha desenhada do teu rosto. Oh, minha menina verbena, como soubeste do ocorrido? Eu pedi para que te preservassem, pois angustia-me que a força em mim esteja prostrada e que mal possa eu te acolher em meu peito! Teu rostinho tem a virtude de bem-querer: sorte de mulher! Comemoro, então, com a destra a tua pele, deslizo a destra da beleza nos teus cabelos negros até o teu colo gracioso e macio, que logo mais o perverto nas iniciais costuras de tua blusa... Amo-te de mim, querida, que de tanta força tens para impulsionar meu moinho sanguíneo ao encontro das águas. (5:46 p.m)