Pular para o conteúdo principal

Das rodas nas horas contadas:

Don Yaosú Valladolid

Amealharam o sorriso das bocas pálidas
Figurou-se um olho de lança sobre o talho da face
A ruga profunda de um riso
O chacoalhar dos ossos corroídos

A sina do ritmo das notas
Uma só viola
Junto ao caminhar monótono do cansaço

Cantávamos em sol maior
Ao alvorecer da aurora
Alguns passos bailados em volta do solo
O grito do patriarca anuncia
                          O próximo cavalgar
            De Don Yaosú Valladolid

Rumo a Tarragona
Um passo rápido pela ilha maior
Perde-se no seu rastro a areia
        Dos calcares pedidos da mátria -

Cantai irmãos!
Na rédea do meu cavalo,
vossos sorrisos
Que muito me servirão de armas.
Para voltar a essa roda de bailas,
Na minha partida, adornai meus ouvidos com vossos refrões...

O pio de uma coruja rasante

Certamente, tu, predadora,
Na falta do teu já adulto filhote
Cantarás até ouvir um gemido de saudade
Eu também te ouvirei, minha mãe...
É de tua natureza saber minhas burlas no engendro da canção.
Não te preocupes, na vitória ou na tristeza,
Meu canto soará alto...
E não haverá ais...

O último sorvo de vinho na taça
Prontamente brindado
Sopesou cingindo-a entre seus dedos
Ocorrera-lhe um caimento do olhar
Tragou sem medo o fortuito gosto acre

Na guisa flutuante o marejo do adeus
Desmancha-se o sono dos crentes
Valha o descuido da serpente e o desmaio do véu

            Ornado peito ferido

O olho da sombra lhe encaminha ao orbe
Da noite que avoluma o medo do instinto
A lua avoca o assovio do vento detrás da lufa
Assomaram-se as nuvens, ocultou-se a lucidez.

Se houver algum vago espectro
Complete minha boca com as mais amargas águas
Mastigo a pele sensível do couro azedo
Dispersando o sopro da coragem ávida

A jovem loba que me amamentou
Farejou meus rastros, cansada e anciã
                Anseia o ninar triste da morte.

                Sobre a curvatura cega que nos separa...

            [Vislumbrando o cantar monocórdio da coruja]
O pio soluçante da fome e da perda
No buraco oco do infinito
O pressentimento futuro de pedra

No abalroamento dos inimigos
Há o ruído da risca do sangue
Se me for desenhado ou apagado do meu corpo,
Pedaços velhos de mim cairão e as novas formarão a gana cicatrizada
Loba-mãe seca, seus olhos não mais me vêem,
Não mais me perseguem
E o seu uivo não mais me revive...

Abandonar o resto da carne
O cerne entre os dentes
Fragmentos das cinzas qualquer
Entre as pálidas garras e seu ventre
Não permitais, meus pais, que eu me consuma em terra!

Caminhar entre o joio e a armadilha
O pêndulo da luz sobre meu nome
Fulgura o sorriso naquela que de mim se despedira
Num olhar mais morto que a próxima esquina...

Vilipendiosos sois vós,
Não marquem a talho minha dor
A alegria somente uma flor
Na sua rósea pálida face,
O furor de um beijo torna-se sua foz

Jamais deixarei que
    a anosa tez de meus pais
            Se contradiga
            Nas minhas lágrimas
            Que caem
            Tal como
            Suas peles

Ser e deixar
O âmago da lança imunda
Carcaças nuas em seus túmulos de firmamento
Acinzentadas chagas de uma Terra
Volto a pé...

Ele regressou
Foi-nos o forte desejo liberto

Sim, amor-lar
Arremesso a sorte ao alto
Cada um terá sua parte...
E os tolos se identificarão na espera.

Para ti a maior das frutas
E a mais nova das carnes
Irmão, sirvo-te minha mulher,
Para que descanse...

Fala o que queres
Ouvirás o que o outro deseja, meu caro.
É-me apreciável a sua maciez
Seu cheiro atiça o regaço
Mas suas pernas não me entrelaçaram
Com sua mesma certeza...

Por ventura deseja-me a escravidão
Daquele beijo distante
Úmido como um sorriso chorado
Urdido como o sol e o clarão

Contemplo a sua beleza
Com todo o rigor de minha adoração
Seu vestido dependurou-se no galho
A enfeitar a fortaleza feminina da árvore fértil
                  Carregada de frutos

        E eu de sementes,
        E de saudade veemente...

Escuso tua mulher, irmão,
Diferencia-a, por favor, aproveitando o teu melhor padecer.

Aos ventos, suas mãos e sua voz:

Aproximai de mim, parentes!
Quão peremptório é o trajeto deste dia
Alguns se arriscam na velha guia
Dos raios que afrontam o crepúsculo dormente.

Antiga esta minha cara
Volúveis estes meus olhos
Cadavérico este meu corpo

Deixo-vos a nova cantiga!
Aos pés dos vestidos
A poeira deste chão nos brinda

Viva terra que me engole
Com seu ruminar suave – volto logo – a ser raiz.

Voltarás tu, Yaosú, a ser raiz!
É tempo de janeiro

Grisaram as pompas
        Massacradas           
        Na palma do gigante Vento

Esta as joga para os outros
Vários lados do infinito   
        É a brincadeira,
        É o riso, é o riso...

Nós de obstáculos,
Nós de paredes
Abaixo do guiso esculpido
        Pelas palmas
        Sem cálculo
Terno descanso
O canto do toque das palmas gigantes dos ventos
        A brincarem...

Pompas grises sobre nós
        Sobre o riso
        Sobre o obstáculo
        Sobre acolá
   
Não se desmancham; são os brinquedos do vento...

É a sede, é a sede
Vem a seca, vem a seca...
De cara no rio

O curso do rio
E as maneiras da face
Retas, se duplicam,
E volta a falar

Cheia das águas
Transbordos dos olhos
A seca rastreada da pele
O solo marcado pelo seu tom

O riso aberto
A boca calada
Desemboca o rio noutro rio    
        Desbocado, depois,
        Noutra boca qualquer
   
    Uma sobrenadante folha...
                Tragada
    Em meio aos encontros
       Entre o rio e a face

Na seca da terra
São as gotas do humor
O cílio no rosto
É a folha a ondular

    O percurso do rio
    O sorriso, o olhar
    Mudou-se o caminho
    Um beijo lá, outro cá...

Em linha reta ou nos seus desvios
É o rio
É a cara
É o sim, é o não
O talvez do talvez
Da chuva que cairá...

Postagens mais visitadas deste blog

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…

Puseram a culpa

Puseram a culpa na pedra. Nesta que a água tanto bate até que fura. Nesta que Drummond encontrou poesia pelo caminho. Nesta pela qual João Cabral construiu sua educação.
Tem uma chuva vinda de vez em quando para lhe escorrer temporais fios de cabelo. Um e outro pássaro que ali pousa enfeitando com asas a suposição pesada de voar. Pessoa que ali se escora, pisa, senta e evapora a própria condição concreta de ser humano.
A vegetação morre, a pedra ali espera. É iludida. Não tem consciência da morte. Tem como companhia o dia, a noite e todo sentimento que se despede. A pedra ali espera. Uma lufa lhe acaricia nunca a deixando só.
A sós com sua rija confiança, o elemento cinza, pesaroso ao olhar dos outros, não elenca na sua cegueira quem nela se deposita. Machuca, às vezes, quem a ela chuta, por pura educação primitiva de ser pedra.
Bem sabe ela do tempo. Não mais respira, mas aguarda e inspira. Morte dos outros apenas... Os minerais de Augusto dos Anjos já a permanecem sem que ela nasça. Os…