Pular para o conteúdo principal

Pessoalmente a Clarice: um poema de conversa

As conversas se trocam entre beijos compartilhados indiretamente...

Pessoalmente a Clarice: um poema de conversa...
(De Larissa Pujol, vencedora do Concurso Literário Felippe D'Oliveira, na categoria melhor autor)

Distorcidas páginas manuscritas
A bege maquiagem e os olhos turvos
Misturam-se o álcool perfume
O álcool remédio
O álcool transição

Nossas vestes femininas
Tua boca traçada e poema
Meu sentimento esquema
O espelho contrário das roupas íntimas

Pensar é teu ódio
Sei e te procuro porque sabes
As conquistas em contramão observamo-nos,
- O testemunho litígio dos nossos dissabores -
A face esculpida por antônimos
A feição entendida por sinônimos

Alento e olor são tuas palavras
Sussurradas e surradas de sentimentos...
O tripé contingente em ambas
Defeito perigoso destruído em nossa planta
Perpetuam-se os platônicos enredos
Nas figuras sépias dos nossos álbuns viris

Sem cerne, nosso dístico ainda planeja o furor feminil
Pela falta desta dureza em nosso regaço
Impossível encontrá-los, homens, na virtude do nosso pó

As tuas celeumas narrativas conselheiras
Infortúnio traço divisório da coragem
                              [entre o grito e o maligno silêncio]
Oblitera-se a mão amiga nos desvios da incessante busca...
Reformula-se a página semelhante
Entre as riscas do descrito atavio e as espirais perguntas sem respostas...

Uma carta, amiga poeta;
Sei e te procuro porque me ajudarás a saber;
Retiro os olhos do instinto sonolento de pensar
                            [vistas a atuar nas emoções eternas]
Diferente do corpo-matéria que me instrui o medo
Admiradas, esperamos o edificado fátuo dos nossos homens,
- Ironicamente dedicadas - mas são estes que desejamos!...

Circular solidão do anel de saturno
Dar a volta por cima,
Em cima da esteira giratória dos erros taciturnos
Perigo que me indicas tu, poeta,
A ânsia de acertar,
                                    [a correção das minhas verdades]
Nesse obediente papel de ser,
Confesso-te, eu só posso sentir
E pior, sentir sem coragem...

Quiçá neste sucumbo contato eu o toque...
Entre os corpos antônimos, os sinônimos...
Tu gritas e pedes para eu gritar novamente
A vogal primeira do surto sabor amargo do impossível
Zênite encontrado em nossa verve!

Encontrar-nos em vezo nesta dissimulação mutante
Os caleidoscópios a nos criarem figuras indeléveis
Múltiplas vozes confundem o apreciado modo de viver

Solilóquio; as palavras dissolvidas neste meu curto espaço
E são muitas dentro de mim, poeta...
São as tintas jorradas em telas registradas antigamente
Conversas para os ouvidos destas paredes
Certamente, não sou eu. É o meu ambiente...  

Nas palavras, o teu domínio sobre o mundo, caríssima poeta!
Resumo-me na cala desse sôfrego entendimento
Obrigas-me a respeitar-me e a não perturbar minha infinidade
Sei que sou menor que este vórtice descoberto em mim
- Planos derrocados para me alcançar...

Esses teus olhos no peso da lembrança...
Desconhecemos os próprios mistérios
Encobrimos nossos segredos nos mistérios alheios
Semelhamo-nos aos seus enigmas
Por mor de complicar a solução de si mesma...

Rendo-me às tuas palavras, estimada poeta,
Sem procurar entender, apenas viver o novo
                                                       [ou o novamente]
Criou-se um impossível, logo sou...
Das faces maquiladas ou amanhecidas,
O “quase tudo” nas procelas do corpo feminino
Toque de fina textura em nossas sedas
As palavras alinhavadas nas agulhas das semelhanças...
Para ti, cosemos as perguntas sem buscar sê-las
A sina rudimentar de conseguirmos viver, sempre, apesar de.

Despeço-me.


Postagens mais visitadas deste blog

Puseram a culpa

Puseram a culpa na pedra. Nesta que a água tanto bate até que fura. Nesta que Drummond encontrou poesia pelo caminho. Nesta pela qual João Cabral construiu sua educação.
Tem uma chuva vinda de vez em quando para lhe escorrer temporais fios de cabelo. Um e outro pássaro que ali pousa enfeitando com asas a suposição pesada de voar. Pessoa que ali se escora, pisa, senta e evapora a própria condição concreta de ser humano.
A vegetação morre, a pedra ali espera. É iludida. Não tem consciência da morte. Tem como companhia o dia, a noite e todo sentimento que se despede. A pedra ali espera. Uma lufa lhe acaricia nunca a deixando só.
A sós com sua rija confiança, o elemento cinza, pesaroso ao olhar dos outros, não elenca na sua cegueira quem nela se deposita. Machuca, às vezes, quem a ela chuta, por pura educação primitiva de ser pedra.
Bem sabe ela do tempo. Não mais respira, mas aguarda e inspira. Morte dos outros apenas... Os minerais de Augusto dos Anjos já a permanecem sem que ela nasça. Os…

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…