Pular para o conteúdo principal

Reflexões entre colegas: o doce e o maduro

Ensolarado final da manhã em que minha colega e eu nos dispusemos os pés para fora da escola e, enfim, conversar algo somente nosso... Aos passos da rua, ora reta, ora escorrida, ora íngreme e escalada para o céu da fadiga, as velocidades dos mobilizados partiam sem dó os nossos assuntos. Falar alto, dar licença, desviar dos esperados e estar sobre as regras da faixa soavam o antissocial íntimo de nós duas. No rabiscado trajeto dos temas comuns e alheios, minha colega comenta sobre uma conhecida:
- Ela tem o hábito de jogar frutas maduras no lixo... Desperdício estúpido! A fruta madura está no seu estágio maior de doçura e deleite amolecido...
- A natureza frutífera e nós, humanos, na sua magnitude senil... Percebe, somos a elas idênticos.
- Verdade. Meu Deus, nem no meio do fervor transeunte tu deixas de ser filósofa, Lari...
- Quando jovens e adultos, temos a rispidez a favor. Temos a intolerância da razão, o ganho da subserviência sobre a sobrevivência de si. Somos verdes, belos por fora, antes sustentados por finas ramificações paternais com toda generosa gravidade que nos mantém na soberania e na soberba da bela conquista. Não obstante, somos rijos por dentro. A boca emocionada que experimenta tal fruto novo e verde se enojará com tamanho azedume de tempo para isso, salário para aquilo, mais os planos à saliva gasta com o melhor argumento para o trabalho e reprodução familiar...
- Continua me adoçando, por favor... – Exigiu a nobre colega.
- A companhia de pessoas maduras, com mais de 50, é a melhor paz. Logo, sente-te convencida! Apraz-me muito estar contigo. – Enrubesci este elogio inocente e sem-vergonha a sua maturidade...
- Minha paciência já não é mais provada. Estamos aptos e prontos a tudo. Cada tamanho de vida é viver novamente nesta fase. Experiência para mulher é mania.
- Então o fruto maduro, que a tudo já acompanhou, terá de si a própria rigidez vencida e a paciência mole agirá com sorriso... Um sorriso como o teu.
- Ainda mordo. – Riu copiosamente esta linda!
- Mas tua mordida fecha os olhos e sorri as bochechas. As linhas expressas ao redor da boca ilham todo conteúdo gostoso de satisfação. Ao contrario da testa que se rasgou com a juventude pensante e aspiradora de surpresas... Voltando a fruta, querida colega, a casca madura pode ter sua fealdade, mas o fruto dentro é o costume do bem sentir. A nostalgia, na maturidade é uma saudosa alegria de fruto! Tudo passou e se tornou cantiga de roda...
- Tu és saudosa, Larissa. Isto é um traço do Romantismo, não é?
- Sim, o romântico é saudoso. Pelo menos, particularmente falando, a pessoa se ilude com minhas histórias, não com minhas promessas.
- Que teoria bacana, minha amiga. Desenvolve-a. Ainda mais que a tua casca está e é linda... Tu és um conjunto completo. Vivida e linda.
- A velhice é um clássico pela alegria. Recordo-me de um trabalho apresentado pelos alunos, no ano passado. Tratava-se de relatar opiniões experientes sobre os modismos regentes. Um grupo entrevistou alguns idosos no Calçadão, perguntou sobre a dança funk, e eles responderam que achavam legal... Isto causou a comoção geral da pesquisa, que os alunos contestaram durante a apresentação.
 - Imagino, no que tange ao possível feio e ao grupo...
- Pois é. Disse-lhes que o “achar legal” é totalmente compreensível no momento em que a senilidade se encontra. A juventude destes entrevistados, - continuei – se expandiu para conhecer o mundo, se aborreceu, julgou, brigou, argumentou, ferrou-se, levantou, venceu e cansou... Agora, para eles, até cuidar da própria doença é um motivo de alegria... Pois o cuidado os mantém comprometidos, sentindo-se úteis a si mesmo... Tudo, a partir de todos os momentos do hoje, para eles, é maravilhoso.
- Teu comprometimento com os alunos é fascinante. A sensatez é um dos quesitos da reflexão, e a dúvida instaurada antes com a pesquisa dos alunos, fomentou a sabedoria, orientada por ti.
- Ah, são os seus olhos...
- E posso-te dizer que deito à sombra da melhor árvore que já conheci: tu.
- Bom saber que te sentes acolhida, nobre colega. Fascina-me muito que estejas ao meu cuidado... Pelo meu tamanho, com certeza tua imaginação viu em mim uma figueira... – Sorri ao brilho infantil da sua pareidolia...
- Ah, Larissa! Tão querida e espirituosa. – E se envolveu em mim, porque nada mais na cidade nos importava...
Até que eu encostei meus olhos numa cantina de açaí durante o seu abraço dela... 

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Troca

Troco meus pensamentos em ti por um carinho teu. Pode ser pouco, mas é honesto.  Troco qualquer retrato que eu tenha feito do teu conhecido sorriso pelo teu conhecimento sobre o que eu sinto, mais a generosidade da tua compreensão.  Tua imagem poderia somente causar estremecimentos em mim, mas ela insiste em transbordar no mundo, ou, talvez, transformar o mundo através de qualquer abraço fora de hora, uma mensagem de apreço permeada de boas risadas, lembranças e uma despedida minha desculpada pelo tempo curto do meu labor ou por eu tentar mostrar a fingida vaidade de ser livre e sem propriedade. Mas te tenho um ato de amor. Amor que não sabes. Não sabes, mas troco minha vontade de ser guache na vida por um apego a ti. Mas te tenho afeto de janela aberta... Amor livre em que não me importa a aliança que carregas na mão esquerda de teu limite. Esquerda, involuntariedade cardíaca... Limite. Leio-te na cartomancia do teu matrimônio um Machado. Uma ironia pincelada com a tinta da galhofa …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …