Pular para o conteúdo principal

O justo perecível

A justiça tem o beijo de Magritte. Nós, de juízes, marcamos as caras sob o branco têxtil da sociedade. Se fomos ao inferno, o comando chantageará a austeridade. Diz-se razão experiente daquele que sofreu, mas ignorante como Creonte.
O livro que acompanha a veste do parecer, tocando no peito a humanidade, acalenta-nos com leveza mítica entre a fantasia e o conhecimento. Introduzem-se os tipos de julgamento à face da novidade pujante ou, mais tarde, com a paciência do tempo que carregou a experiência até ali. O drama é o anseio do inconformado, e não há final para a vaidade, ao contrário da vida.
O herói previne o real: não analisa o céu de um bandido, suspira mais que a antítese do capital, retém a egoísta glorificação. É diferente do comum que bate no muro com a cabeça e abre caminho para todos! Esta cabeça ouviu histórias de fantasmas, despedaçou encarnadas partes do sofrimento na defesa do seu próprio espaço-cenário engajado à paixão da justiça através da liberdade.
Não há maldade, tampouco maniqueísmo. Criatura justa na complexidade do sim e do não, humanidade. Ela, almejada no coletivo em si mesmo, condenando-se também na fragilidade do indivíduo. Tem-se a estrutura da repressão na transparência daquilo que se esqueceu de viver... Enriqueceu, porém, a premissa que depois se desteme. Logo ali, do céu escorre o véu que atormenta a zona de conforto do inofensivo.  

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …

Da minha criança (ou Tempo Presente)

E toda aquela infância
Que não tive (como as outras comuns)* me vem,
Numa onda de alegria
Que não foi de ninguém.

Questionei-me nesse último dia 12: por que falamos sempre da infância (ou nos referimos a ela) em tom casimiriano de tempo longínquo e nostálgico? Em meio a tantos livros, uma fábula audiovisual da Disney é a minha história favorita de criança: O touro Ferdinando. Esse protagonista que vivia em meio a um código predestinado e prenominado aos touros – agressividade, competição, intrepidez – porém se regrava a uma vida paciente, só e aprendendo o que é a liberdade de si mesmo. Continuou livre, paciente e só. Ferdinando marcou-me. Pelo tamanho da pele na completude sensível de sua alma. Ele era (e sou) eu em vida desde quando assisti ao desenho... Mesmo criada em meio ao tabu padronizado de beleza competitiva entre outras mulheres acomodadas que buscam do casamento ideal e perfeito às fofocas da família, era eu a fugidia desse círculo. Quando se davam conta que eu não estava ali…