Pular para o conteúdo principal

Quando eu te der segredo

Tão longos os seus serpenteares frente a mim, querendo a audácia da música que sorria ao me mirar cantarolando ao vazio. Assim estava ela, tão breve ao meu corpo que teimava não obedecê-la, teimava a escravidão das luzes sobre si, rodando e rodando como a barra do seu vestido sobre as coxas.
Resolvi fitá-la nos olhos, e ainda aquele sorriso de laço encarnado cometia a mensagem dual feminina. Ela gosta do mesmo, ela é igual, prefere as rosas à exatidão, é delicada e quer a si mesma... Descobri que o fino salto do seu salto agulha me liberava a disciplinada nudez de uma fuga. Disse-me ela, então, que me conhecia de algum lugar... Tratei-a, primeiramente, como senhora. E ela me riu informalidade dizendo-me que conta com apenas quarenta e quatro... Ah, tão linda que me fez saber que a educação também comete gafes! Pois tinha eu a plena certeza de que nunca a havia visto... Mas logo emendei umas ilusórias situações de lá e cá do talvez que fizeram nossos encontros do passado, para ela, se encaixarem na realidade e na nossa intimidade.
Mais musicas saudosas! Festa nostálgica! Homens a nossa volta tentando aproximação. Ela esquivava, eu esquivava procurando as mãos e a cintura uma da outra na chamada da posse... As pessoas “em conserva” já nos passavam seus olhares inquisidores, aos quais fazíamos questão de queimá-los com as nossas próprias chamas aprazidas em nós mesmas. Riamos copiosamente dos “em conserva”; debochávamos daqueles que, com agressividade, nos puxavam os braços na frustrada tentativa de nos separar para escolhermos a eles... Bebíamos no mesmo lacre da latinha ou no mesmo lugar do copo em que nossas bocas encostavam...
Sua plena desinibição! Ah, entre mulheres não existe pudor: sabíamos até ali os nossos endereços, nossos telefones, nossas profissões, nosso tamanho do sutiã, os tipos preferidos de calcinha. Entendíamos de música, suspirávamos as épocas e este presente encontro. Gostávamos do bobo e da verdade, do curioso e das frases brincadas. Sobre o céu, sobre o nós, “sobre magia e meditação”. Valeu muito ela achar que me conhecia, passei a amá-la.
Numa mesa próxima decidi que descansaria meus saltos. Ela seguiu na pista com toda sua aurora de festa e imensidão. Ali, era ela só espírito... Recuperada, ao seu lado me pus exasperada para arrebentar essa linha tênue cosida com as diagonais de suas unhas. No entanto How deep is your love, dos Bee Gees, fincou mais as pontas daquelas agulhas. O abraço dela, tão forte, tão procurado, tão lento quanto queria. Pendíamos os pés: eram um, dois, um, dois... num balanço monótono que o enlace revela o que há de confiança e ternura. Os seus cabelos curtos e louros foram o ninho do meu olfato. O seu aperto, a vida no meu silêncio...
Ao término da música, pediu-me ela que a acompanhasse ao toalete. Estaria passando mal? – incuti-me esse pensamento tal qual fora seu rompante de ir àquele lugar. Lá, único local velho de necessidades e vaidade, ela se ajeitou, se aperfeiçoou, urinou. Ações completas frente aos meus olhos que a observavam temerosos num canto daquele toalete de paredes manchadas, chão áspero e luz sem graça. Retraí-me toda para não ofendê-la, mas... sua mão secando o íntimo respeitava minha obscenidade! Virei o rosto! Então ouvi a lixeira recebendo aquele bolo de papel higiênico lá no fundo, em que meu fundo regaço contraído já transbordava o gozo... Ela se refez das vestes. Mirou-se novamente no espelho. Refiz meu comportamento e engajei um parecer romântico-filosófico enquanto ela ficava frente ao espelho: que este era a única boa guarida dos segredos. Imperfeições, máscaras, choros e realeza. Nada nos escapa do espelho. Nunca seríamos na frente do outro o que somos na frente do espelho. E ele retém tudo consigo... “Até nós duas” – Permitiu-me ela. “Sim” – Confirmei ao seu lado direito. Ela me ofereceu o seu batom. Aceitei e tentei apanhá-lo na sua mão esquerda, escorrida ao longo do seu tronco. A favor da sua lógica, meu corpo declinou ao seu avanço. A cor do batom foi-me imposta pelos seus lábios, pela dor que seus dentes me apraziam. Refleti no espelho aquela sua maquiagem de língua, na alvura diáfana dos seus seios graciosos.
Amei-a de vestidos a camadas de sombra. Do gosto do uísque ao olor de cio. De mulher a mulher. Ela, magra e pequena, que eu a carregava sobre as coxas, sobre os ombros, sobre o ventre, sobre a cara... Pela mão ao retornar. Contemos a presença, sofisticamos a permanência. O porquê de demorarmos... Ah, a maquiagem, a vaidade... a desculpa feminina mais coerente... A dança novamente nos completou diversos assuntos e carinhos. A comunhão prosseguiu na melodia da pele...
Eis que a provedora da carona me chama para irmos. Não, eu... Eu tentei argumentar, resvalar mais uma música para que esta ficasse mais um pouco. E ela, a minha linda, percebeu minha despedida quando a olhei desconsolada. Abracei-a toda com ímpeto do consolo sonhador do retorno. Vamos! – Insistiu a dona do carro.  Ei! – Arquejou ela para mim. Ela me apertou com suas mãos o pulso e o antebraço, revelando e entregando a mim seu substantivo próprio, o ramalhete da confidência que, meu D’us!, esquecêsramos de dizer uma a outra durante a noite:
- Eu me chamo S... S. Mara...    

E no carro musicava... O segredo que ela me deu...

Postagens mais visitadas deste blog

“Com os olhos de comer fotografia”

Pedi-lhe uma fotografia de instante. Um registro daquela singela desfaçatez vaidosa e despreparo de pose. Os cabelos encaracolados, presos em um coque-amélia de subserviência, divagavam o caminho elíptico de lenta tessitura rendida de seus olhos fechados – quase fechados – um feixe ainda entregue ao meu foco estático que ela soubera fazer imagem, fazer cinema de mim! Em uma rápida censura, a educação de sua alvura diáfana assinou o nome de Fragonard: a young woman reading. Sua pele à fresca da modernidade foi a imediata poesia àquela obnubilada essência triste antes em meus olhos. Estes endureceram junto às digitais na tela e minha língua rija na cala sôfrega da virtualidade. O rosto que ela me permitiu era todo um corpo, um nascido afinado de pequenos detalhes que compunham uma outra mulher de contornados seios que me olham através da Íris mensageira dos deuses – conectando o mundano e o celeste para um átimo de relação amorosa full-screen – e de intensa cor – eram seus lábios vagin…

Todo dia (especialmente nesta semana)

Às pessoas que passavam por mim refutando o clima chuvoso com interjeição indagada de participação coletiva reclamante “ah, que horror, né?!” eu respondia “um dia de chuva é tão belo como um dia de sol. Ambos existem; cada um como é”, bonitos à sua maneira, propícios a diversas tarefas para quem não se esconde na queixa. Logo, algo que me chamara atenção veio da paciência dessas pessoas ao pararem silenciadas ante a lógica pessoana. Encontraram a raridade e em mim o halo dos desaparecidos? O sinal da escola soava, os carros passavam, o pátio era um odeon de premissas e pressas até que o espaço concreto se tornava o próprio ar de langorosas difusões de olhares e palavras, como a água corrente de efeito apenas seu e intransferível. Não era coisa esperada. Tampouco suas caras! A matéria parou. A matéria reflexiva, o guarda-chuva que não fechava, a pressa que cessava. Eu queria realmente aquele gesto em seus olhos – a aura após a cegueira. Pareciam, cada um a seu tempo, enfim, na companhi…

Crônica epistolar

“Oh, paulistinha bonita”, inicia a estrofe cantada por Teixeirinha à luz da união entre os dois estados cuja saudade atravessa a ponte sobre o rio da milonga. Oh, minha paulistinha bonita! Um elogio de mimético desembaraço desta que a beija e a escreve com toda guarda divina que sua pessoa me tenta. Oh, minha paulistinha que de tão bonita é sua desfaçatez quando lhe digo que você tem Angélica na cara... Deixando de lado os regozijos de uma “boca do inferno”, permeia-me a paz do convite a estar com você em meu colo com mimos de inha, tal qual a paisagem bucólica que cerceia a nudez feminina nas estampas dos lençóis sobre a cama desfeita. Meu odeon onde a cantiga sofre nas rimas de inha por todo carinho que lhe alcança nesta ponte. Paulistinha. Pequenininha. Um diminuto de tempo e espaço para que você caiba de amuleto no que posso chamar de meu. Eu a amo e ainda tenho tanto para amá-la... Amar como todas as épocas que divagam a poética pesquisa sobre amar e pecar, fugindo para qualquer ca…