Pular para o conteúdo principal

Quando eu te der segredo

Tão longos os seus serpenteares frente a mim, querendo a audácia da música que sorria ao me mirar cantarolando ao vazio. Assim estava ela, tão breve ao meu corpo que teimava não obedecê-la, teimava a escravidão das luzes sobre si, rodando e rodando como a barra do seu vestido sobre as coxas.
Resolvi fitá-la nos olhos, e ainda aquele sorriso de laço encarnado cometia a mensagem dual feminina. Ela gosta do mesmo, ela é igual, prefere as rosas à exatidão, é delicada e quer a si mesma... Descobri que o fino salto do seu salto agulha me liberava a disciplinada nudez de uma fuga. Disse-me ela, então, que me conhecia de algum lugar... Tratei-a, primeiramente, como senhora. E ela me riu informalidade dizendo-me que conta com apenas quarenta e quatro... Ah, tão linda que me fez saber que a educação também comete gafes! Pois tinha eu a plena certeza de que nunca a havia visto... Mas logo emendei umas ilusórias situações de lá e cá do talvez que fizeram nossos encontros do passado, para ela, se encaixarem na realidade e na nossa intimidade.
Mais musicas saudosas! Festa nostálgica! Homens a nossa volta tentando aproximação. Ela esquivava, eu esquivava procurando as mãos e a cintura uma da outra na chamada da posse... As pessoas “em conserva” já nos passavam seus olhares inquisidores, aos quais fazíamos questão de queimá-los com as nossas próprias chamas aprazidas em nós mesmas. Riamos copiosamente dos “em conserva”; debochávamos daqueles que, com agressividade, nos puxavam os braços na frustrada tentativa de nos separar para escolhermos a eles... Bebíamos no mesmo lacre da latinha ou no mesmo lugar do copo em que nossas bocas encostavam...
Sua plena desinibição! Ah, entre mulheres não existe pudor: sabíamos até ali os nossos endereços, nossos telefones, nossas profissões, nosso tamanho do sutiã, os tipos preferidos de calcinha. Entendíamos de música, suspirávamos as épocas e este presente encontro. Gostávamos do bobo e da verdade, do curioso e das frases brincadas. Sobre o céu, sobre o nós, “sobre magia e meditação”. Valeu muito ela achar que me conhecia, passei a amá-la.
Numa mesa próxima decidi que descansaria meus saltos. Ela seguiu na pista com toda sua aurora de festa e imensidão. Ali, era ela só espírito... Recuperada, ao seu lado me pus exasperada para arrebentar essa linha tênue cosida com as diagonais de suas unhas. No entanto How deep is your love, dos Bee Gees, fincou mais as pontas daquelas agulhas. O abraço dela, tão forte, tão procurado, tão lento quanto queria. Pendíamos os pés: eram um, dois, um, dois... num balanço monótono que o enlace revela o que há de confiança e ternura. Os seus cabelos curtos e louros foram o ninho do meu olfato. O seu aperto, a vida no meu silêncio...
Ao término da música, pediu-me ela que a acompanhasse ao toalete. Estaria passando mal? – incuti-me esse pensamento tal qual fora seu rompante de ir àquele lugar. Lá, único local velho de necessidades e vaidade, ela se ajeitou, se aperfeiçoou, urinou. Ações completas frente aos meus olhos que a observavam temerosos num canto daquele toalete de paredes manchadas, chão áspero e luz sem graça. Retraí-me toda para não ofendê-la, mas... sua mão secando o íntimo respeitava minha obscenidade! Virei o rosto! Então ouvi a lixeira recebendo aquele bolo de papel higiênico lá no fundo, em que meu fundo regaço contraído já transbordava o gozo... Ela se refez das vestes. Mirou-se novamente no espelho. Refiz meu comportamento e engajei um parecer romântico-filosófico enquanto ela ficava frente ao espelho: que este era a única boa guarida dos segredos. Imperfeições, máscaras, choros e realeza. Nada nos escapa do espelho. Nunca seríamos na frente do outro o que somos na frente do espelho. E ele retém tudo consigo... “Até nós duas” – Permitiu-me ela. “Sim” – Confirmei ao seu lado direito. Ela me ofereceu o seu batom. Aceitei e tentei apanhá-lo na sua mão esquerda, escorrida ao longo do seu tronco. A favor da sua lógica, meu corpo declinou ao seu avanço. A cor do batom foi-me imposta pelos seus lábios, pela dor que seus dentes me apraziam. Refleti no espelho aquela sua maquiagem de língua, na alvura diáfana dos seus seios graciosos.
Amei-a de vestidos a camadas de sombra. Do gosto do uísque ao olor de cio. De mulher a mulher. Ela, magra e pequena, que eu a carregava sobre as coxas, sobre os ombros, sobre o ventre, sobre a cara... Pela mão ao retornar. Contemos a presença, sofisticamos a permanência. O porquê de demorarmos... Ah, a maquiagem, a vaidade... a desculpa feminina mais coerente... A dança novamente nos completou diversos assuntos e carinhos. A comunhão prosseguiu na melodia da pele...
Eis que a provedora da carona me chama para irmos. Não, eu... Eu tentei argumentar, resvalar mais uma música para que esta ficasse mais um pouco. E ela, a minha linda, percebeu minha despedida quando a olhei desconsolada. Abracei-a toda com ímpeto do consolo sonhador do retorno. Vamos! – Insistiu a dona do carro.  Ei! – Arquejou ela para mim. Ela me apertou com suas mãos o pulso e o antebraço, revelando e entregando a mim seu substantivo próprio, o ramalhete da confidência que, meu D’us!, esquecêsramos de dizer uma a outra durante a noite:
- Eu me chamo S... S. Mara...    

E no carro musicava... O segredo que ela me deu...

Postagens mais visitadas deste blog

Puseram a culpa

Puseram a culpa na pedra. Nesta que a água tanto bate até que fura. Nesta que Drummond encontrou poesia pelo caminho. Nesta pela qual João Cabral construiu sua educação.
Tem uma chuva vinda de vez em quando para lhe escorrer temporais fios de cabelo. Um e outro pássaro que ali pousa enfeitando com asas a suposição pesada de voar. Pessoa que ali se escora, pisa, senta e evapora a própria condição concreta de ser humano.
A vegetação morre, a pedra ali espera. É iludida. Não tem consciência da morte. Tem como companhia o dia, a noite e todo sentimento que se despede. A pedra ali espera. Uma lufa lhe acaricia nunca a deixando só.
A sós com sua rija confiança, o elemento cinza, pesaroso ao olhar dos outros, não elenca na sua cegueira quem nela se deposita. Machuca, às vezes, quem a ela chuta, por pura educação primitiva de ser pedra.
Bem sabe ela do tempo. Não mais respira, mas aguarda e inspira. Morte dos outros apenas... Os minerais de Augusto dos Anjos já a permanecem sem que ela nasça. Os…

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…