Pular para o conteúdo principal

O segundo sopro

Resolvemos dormir. Quem confia, na aliança do hábito matrimonial, o espaço de total descompasso do repouso, sabe que o sono apenas chega com o embalo de ambas as respirações, naquele abraço circundante da mesma noite.
Entre um comentário e outro brevemente fechamos os olhos. Era “meio-da-semana” e o meu descanso já penava durante o trabalho. Talvez ela houvesse dito mais algumas palavras, que o movimento taciturno do assunto me acomodou ainda mais em seu ninho...
Passaram-se três, quatro horas de repouso até que ela me acode, me reanima assoprando todo seu ar para dentro de mim, segundo seu relato:
- Amor! Graças a Deus! Estás bem? – ela não esperou minha resposta... – Tu tiveste apnéia! Tu simplesmente paraste! Paraste de respirar! A tua pulsação parou! E tu ainda não me respondeste! – Nesta hora observei que nem meu pai havia dito tantas exclamações numa só frase... Comecei, por fim:
- Não sei... Digo... Parece que “voltei”. Estou com uma forte dor no peito, mais ainda no pescoço, em sua musculatura, e nos canais aéreos que conduzem o ar aos pulmões...
- Não fales muito. Mantém-te acordada! Vou buscar água para ti.
E lá vinha ela com rara carinha séria confundindo seus quarenta e cinco anos entre as agruras da preocupação e o medo infantil de perder algo considerado valioso. Minha pequenininha...
Bebi todo o conteúdo do copo. As dores aliviaram. Ela fez massagem com relaxante muscular nos pontos dos quais me queixei. Fui melhorando aos poucos – aliás, aos pouquinhos, para ter suas mãozinhas me abençoando por muito mais tempo... 
- Como tu “descobriste” meu mal-estar?
- Porque eu despertei com a falta do teu “embalo” e do leve sopro que sinto quando respiras. O costume faz isso... Se tu não tens o que te é cômodo, tu despertas!
- Continua...
- Então notei que teu braço estava muito pesado. Foi apenas colocá-lo estendido ao teu corpo que ele “desabou” e levou todo o teu tronco para o lado. Desci da cama, acendi a luz. A tua cena me assustou, Amor. Eu te chamei uma, duas, três vezes. Eu te gritei! Mas tu permanecias inaudível e com corpo mole. Tomei teu pulso: nada. Tentei perceber um fio de respiração: nada. Não! Não pensei, nem penei chamando o Socorro porque sei que com a lengalenga deste serviço tu não sairias dessa, querida! Assim, puxei tua cabeça para trás e te soprei todo ar que eu dispunha nos pulmões...
- Faz sentido. Enquanto “voltava” senti como se esvaziassem um balão de ar na garganta.
Olhei-a com todo significado. Tornar-se-ia para um deus enquanto ela continuava com sua carinha de precaução.
- Que curioso... – sorri-lhe tremendo os lábios - Tu me deste o segundo sopro da vida.
- Isso se chama “primeiros socorros”... – sorriu timidamente.
- E único. Bastou para pegar uma parte de ti... De ser tu...
- Daqui a pouco serás tu a me devolver o sopro.
- Quem sabe começo pela tua nuca...
De fato, então, eu me mantive acordada, suspensa pelo fio condutor da vida chamado sopro - ora chamado fôlego, ora chamado tesão! Ela não compactuou com minha exaustão cardíaca, mas beijou esta região expandindo toda sua boca... Passado o dia, voltei do trabalho; e sobre a mesinha do telefone estava um bilhete com letras graúdas e corridas, agendando meus horários para diversas especialidades médicas... A minha pequenininha, como namorada, é uma ótima mãe...

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Troca

Troco meus pensamentos em ti por um carinho teu. Pode ser pouco, mas é honesto.  Troco qualquer retrato que eu tenha feito do teu conhecido sorriso pelo teu conhecimento sobre o que eu sinto, mais a generosidade da tua compreensão.  Tua imagem poderia somente causar estremecimentos em mim, mas ela insiste em transbordar no mundo, ou, talvez, transformar o mundo através de qualquer abraço fora de hora, uma mensagem de apreço permeada de boas risadas, lembranças e uma despedida minha desculpada pelo tempo curto do meu labor ou por eu tentar mostrar a fingida vaidade de ser livre e sem propriedade. Mas te tenho um ato de amor. Amor que não sabes. Não sabes, mas troco minha vontade de ser guache na vida por um apego a ti. Mas te tenho afeto de janela aberta... Amor livre em que não me importa a aliança que carregas na mão esquerda de teu limite. Esquerda, involuntariedade cardíaca... Limite. Leio-te na cartomancia do teu matrimônio um Machado. Uma ironia pincelada com a tinta da galhofa …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …