Pular para o conteúdo principal

Frente ao inverno do bom-café


Então o fado me destinava... (Foto: Larissa Pujol)
Lisboa, fevereiro de 16.

“Larissa é uma poeta”, disse-me a outra mulher, cuja pele da face se aconchegava como veludo no sorriso suspeito entre os olhos predatórios, sem piscar, um tanto obscenos. Fiz-lhe uma leve mesura: o nosso sexo jamais falha em questões de tato, minha cara.
“É preciso desculpar as poetas pelo que fazem...”, continuou a lisboeta, querendo ainda me chamar de poeta. A poesia – expliquei-lhe – tal como a lei, é o derradeiro refúgio do problema, do coxo, do imbecil, do cego. Diria até, minha cara, que Cezar inventou a jurisprudência para se proteger dos poetas.
“O negócio é a tua esperteza, poeta” – continuou então com um riso melífluo, com som saído da boca das crianças... “Faz tempo que não dizes que me amas?” – cobrou-me a gaja tocando-me o rosto com a ponta dos dedos, no meu cabelo escorregadio em desalinho. “Muito tempo” – confirmou. “Desde ontem, lá na Baixa Chiado, pelo menos”, concordei e completei dizendo que a amo (como aquela camiseta do Fernando Pessoa que deixei de comprar), enquanto ela se inclinava para mim e me ouvia com sua desatenção absorta e voluptuosa, ainda me acariciando o rosto e os cabelos, mas agora com as mãos delicadas e atrevidas. Afasto-me para acender o cigarro...
Aspirei de memória uma fumaça melosa, atraindo a voga de qualquer teatro de vaudeville, talvez com escasso virtuosismo e uma predileção por nuances adocicadas daquele tabaco. Ficamos assim por algum tempo enquanto as luzes brilhavam na escura noite do Tejo.

Postagens mais visitadas deste blog

Crônica epistolar

“Oh, paulistinha bonita”, inicia a estrofe cantada por Teixeirinha à luz da união entre os dois estados cuja saudade atravessa a ponte sobre o rio da milonga. Oh, minha paulistinha bonita! Um elogio de mimético desembaraço desta que a beija e a escreve com toda guarda divina que sua pessoa me tenta. Oh, minha paulistinha que de tão bonita é sua desfaçatez quando lhe digo que você tem angélica na cara... Deixando de lado os regozijos de uma “boca do inferno”, permeia-me a paz do convite a estar com você em meu colo com mimos de inha, tal qual a paisagem bucólica que cerceia a nudez feminina nas estampas dos lençóis sobre a cama desfeita. Meu odeon onde a cantiga sofre nas rimas de inha por todo carinho que lhe alcança nesta ponte. Paulistinha. Pequenininha. Um diminuto de tempo e espaço para que você caiba de amuleto no que posso chamar de meu. Eu a amo e ainda tenho tanto para amá-la... Amar como todas as épocas que divagam a poética pesquisa sobre amar e pecar, fugindo para qualquer ca…

O cuidado de amar com ciúme

- Não entendi por que ela destratou minha convidada. - Gente, e aquela hora que ela começou a arrastar as cadeiras, do nada, bem na fala da sua convidada? - Percebi nela uma falta de tato e um tanto de despeito, mas deixei para lá. Procurei deixar minha convidada o mais bem acolhida possível. - Pois é, um tema tão importante de palestra. - Ah, Larissa, cê que é mulher não entendeu? - O quê?! - Que ela estava se mordendo de ciúme! - Ahn! – abri a boca estupefata como se toda minha trajetória supostamente sábia até o doutorado caísse por terra tomada pelo tiro que me jogava morta na ignorância de não ver, diante de mim, um interesse feminino... - Hum... Acho que falei demais. Nós, bixa velha, sabemos de tudo o muito, mas pecamos em deixar transbordar indiscretamente... - E nem precisa! – fui tomada por uma alegria, na verdade, um salvamento. Meu D’us! – pensei – eu interesso a ela. Uma mulher cuja guisa estamparia os modelos franceses de arte; cujas palavras proferidas são ora a enciclopédia, or…

Depreendidas

Para bom poeta, meias bastam. Ter cautela ao andar para não pisar em desejos alheios. Se no mar, por vezes deixar-se inundar é forma de cravar os pés no chão. Nem sempre há desespero no descontrole. Essencialmente urbana, mas com um respirar de espaços bucólicos onde anda em mim um vestido jogado de morangos... Esquecer na perda do admirar as bobagens de amor que iria dizer. Sou da megalópole e me é intrínseco o concreto que assim me equilibra em grandes altos de alcance celeste – o mesmo que, em momentos silentes, recolhe a paz em meu rebanho e em grandes altos de ambição como a frase “Queria tanto que alguém me amasse por alguma coisa que eu escrevi”. Todo cansaço será recompensado? Na poesia parece óbvio. Na realidade, nem tanto. Para compensar: aquieta-te. Cansa teu olhar no meu, querida. Espera o melhor para colher o tempo de beleza resgatada no interior de nós. Vem, querida, descansa teu olhar no meu...