Pular para o conteúdo principal

A escrava, então, não era a Isaura, nem a Poesia...

Mario e eu nesta última semana:
Também tenho uma parábola. Mario diferenciou-se com Cristo. No meu caso, entre o médico e mim existe uma diferença que estabeleço: “Seu doutô” diz: esta é a verdade. E segundo a exatidão, talvez tenha ele uma mea-razão. Digo-lhe, porém: meu corpo é a minha verdade. E tenho razão. Vamos à alegoria!
Adão teve de sua costela retirada por Hashem um ser que os homens proclamavam a coisa mais perfeita da criação: Eva. Invejoso e bocudo, o primeiro homem resolveu criar também. E como não sabia o porquê d’um bisturi para uma arte “tão interna quanto extraordinária”, tirou-lhe do próprio sangue escorrido (ou seria do próprio hemograma?) um outro ser. Era também – o primeiro plágio realístico da história – uma mulher. Humana, forte, peitos e músculos, como a letra de Caetano: linda, mais que demais!
Para dar modelo aos novos fitoterápicos, Adão, envaidecido, colocou essa mulher nua, sanguínea, logo, eterna, nos fins da Tessália. Depois que Evagrius nomeou os sete pecados capitais, estes rumaram para visitar a tal notória e maravilhosa nudez da nova criatura. Festejaram com ela, comendo e aproveitando todo frescor do luxo. Enraiveceram-se entre si. A soberba aconselhou-a sobre auto-estima, ignorando diagnósticos. E todos viraram a manhã no divã preguiçoso da ressaca... Ela despertou e envergonhou-se. Adão, assim, “colocou-lhe uma primeira coberta”: a folha de boldo.   
Caim, para forçar a sobra do rebanho de Abel, envolveu a mulher com manto em forma de faixas alvíssimas. A mais conservante indumentária. As novas gerações não lhe tiravam as vestes já existentes, mas ainda mais depositavam sobre ela novos modos de se cuidar. Os turcos, enfim, colocaram-lhe gesso. Os gregos a superstição. Qualquer um lhe dava uma rama de arnica ou uma folha de babosa. Adornavam-na de anis-estrelado conforme a previsão d’um mapa astrológico. A natureza condecorou-a de bactérias. Os indígenas, o curandeirismo; os semitas, a oração; os chineses, a meditação; os tudors bebiam sua urina...
Vindo de séculos depois de séculos, um curioso genial nascido a 1872 passou frente ao tal monte. Admirou-se por encontrar o tal “Guarniscar” de plantas, aromas, fumaças, rezas, auto-ajuda e sei lá mais que! Mas o curioso quis ver o monte e deu-lhe um chute de 25 anos naquela extravagante e heterogênea vitrine de poções. Tal qual a bruxaria, tudo desapareceu num encanto. E o garoto bigodudo descobriu a mulher nua, angustiada, ignara, ignorada, virulenta, falando crendices, desconhecendo a função dos seus órgãos, selvagem, áspera, cortada, ingênua, ad-mortem, e incrivelmente suja! 
A escrava da Tessália chamava-se Saúde.
O curioso genial era Oswaldo Cruz.
Essa mulher escandalosamente nua é que a ciência e os desesperados se puseram a adorar (muitas vezes dosando mais otimismo que inteligência).

Postagens mais visitadas deste blog

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…

Mas aquele subterfúgio de te olhar casando...

Resistir, sofrer por antecipação isolando-se numa máscara de pausa tchekhoviana ao estender-se no palco dos teus olhos. O espetáculo é meu, mas antes lamurie para o meu silêncio a vaga dessa boca a estreitar-se do muito que lhe choro dentro de mim.
É uma oração! Clamo à Resistência na súplica a fim de que esse deus se convença e se infernize mais com o meu pensamento nela... Mas mais do ínferno satiriza-se o erro de não lhe falar... Mas não... A Resistência é a sabotagem da razão; um deus dela mesma que desta cruz na abertura dos seus braços a me saudar, eu fujo.
Que de boba eu não tenho um mínimo provérbio, apenas resisto. Amigo-me confortável no resquício laborioso igualmente assistido à sua palavra... Um fenômeno desfragmentado na sua verve sofista que mais crio a nós duas, futuramente.
Resistência: ela não quer. Desistência: ela me procura. Sigo-a. Ela fecha a porta. Não me deixa entrar.
Tenho de continuar a resposta para os lados... Não é o mesmo lugar quando outra se adora sobre o…