Pular para o conteúdo principal

A escrava, então, não era a Isaura, nem a Poesia...

Mario e eu nesta última semana:
Também tenho uma parábola. Mario diferenciou-se com Cristo. No meu caso, entre o médico e mim existe uma diferença que estabeleço: “Seu doutô” diz: esta é a verdade. E segundo a exatidão, talvez tenha ele uma mea-razão. Digo-lhe, porém: meu corpo é a minha verdade. E tenho razão. Vamos à alegoria!
Adão teve de sua costela retirada por Hashem um ser que os homens proclamavam a coisa mais perfeita da criação: Eva. Invejoso e bocudo, o primeiro homem resolveu criar também. E como não sabia o porquê d’um bisturi para uma arte “tão interna quanto extraordinária”, tirou-lhe do próprio sangue escorrido (ou seria do próprio hemograma?) um outro ser. Era também – o primeiro plágio realístico da história – uma mulher. Humana, forte, peitos e músculos, como a letra de Caetano: linda, mais que demais!
Para dar modelo aos novos fitoterápicos, Adão, envaidecido, colocou essa mulher nua, sanguínea, logo, eterna, nos fins da Tessália. Depois que Evagrius nomeou os sete pecados capitais, estes rumaram para visitar a tal notória e maravilhosa nudez da nova criatura. Festejaram com ela, comendo e aproveitando todo frescor do luxo. Enraiveceram-se entre si. A soberba aconselhou-a sobre auto-estima, ignorando diagnósticos. E todos viraram a manhã no divã preguiçoso da ressaca... Ela despertou e envergonhou-se. Adão, assim, “colocou-lhe uma primeira coberta”: a folha de boldo.   
Caim, para forçar a sobra do rebanho de Abel, envolveu a mulher com manto em forma de faixas alvíssimas. A mais conservante indumentária. As novas gerações não lhe tiravam as vestes já existentes, mas ainda mais depositavam sobre ela novos modos de se cuidar. Os turcos, enfim, colocaram-lhe gesso. Os gregos a superstição. Qualquer um lhe dava uma rama de arnica ou uma folha de babosa. Adornavam-na de anis-estrelado conforme a previsão d’um mapa astrológico. A natureza condecorou-a de bactérias. Os indígenas, o curandeirismo; os semitas, a oração; os chineses, a meditação; os tudors bebiam sua urina...
Vindo de séculos depois de séculos, um curioso genial nascido a 1872 passou frente ao tal monte. Admirou-se por encontrar o tal “Guarniscar” de plantas, aromas, fumaças, rezas, auto-ajuda e sei lá mais que! Mas o curioso quis ver o monte e deu-lhe um chute de 25 anos naquela extravagante e heterogênea vitrine de poções. Tal qual a bruxaria, tudo desapareceu num encanto. E o garoto bigodudo descobriu a mulher nua, angustiada, ignara, ignorada, virulenta, falando crendices, desconhecendo a função dos seus órgãos, selvagem, áspera, cortada, ingênua, ad-mortem, e incrivelmente suja! 
A escrava da Tessália chamava-se Saúde.
O curioso genial era Oswaldo Cruz.
Essa mulher escandalosamente nua é que a ciência e os desesperados se puseram a adorar (muitas vezes dosando mais otimismo que inteligência).

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Troca

Troco meus pensamentos em ti por um carinho teu. Pode ser pouco, mas é honesto.  Troco qualquer retrato que eu tenha feito do teu conhecido sorriso pelo teu conhecimento sobre o que eu sinto, mais a generosidade da tua compreensão.  Tua imagem poderia somente causar estremecimentos em mim, mas ela insiste em transbordar no mundo, ou, talvez, transformar o mundo através de qualquer abraço fora de hora, uma mensagem de apreço permeada de boas risadas, lembranças e uma despedida minha desculpada pelo tempo curto do meu labor ou por eu tentar mostrar a fingida vaidade de ser livre e sem propriedade. Mas te tenho um ato de amor. Amor que não sabes. Não sabes, mas troco minha vontade de ser guache na vida por um apego a ti. Mas te tenho afeto de janela aberta... Amor livre em que não me importa a aliança que carregas na mão esquerda de teu limite. Esquerda, involuntariedade cardíaca... Limite. Leio-te na cartomancia do teu matrimônio um Machado. Uma ironia pincelada com a tinta da galhofa …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …