sexta-feira, 11 de março de 2016

Para me conhecer, tive de amá-la

Podemos arranjar um tempo para sermos mais que amigas? De frente para a porta eu converso com o pessoal, porque atento a cada movimento desta que pode trazê-la, dentre os sorrisos possíveis, sorrindo para mim... Mas o seu sorriso possível é para todos, nunca é apenas para mim; e você não apareceu...
Faço deste nunca um lugar seguro para nós duas! Entretanto, nem mesmo uma catarse isso nos é. Depois do expediente, amor, eu tenho bebido. Respondo aos recados da minha namorada forjando um engano ao escrever para você. Desculpo-me do “te amo” enviado, e retorno pela manhã juntando conhecimento com algumas (de) nossas palavras idiotas que me fizeram feliz na hora de mimá-la. É perigoso quando todos funcionam ao nosso redor... Faz tempo que eu tenho calado em cada abraço: Podemos ficar a sós?
Quando o nosso tempo será para usufruirmos mais que amigas? Mais que amigas!
Eu não tenho medo, tampouco vergonha. Contudo, fico na minha e evito acreditando que a minha culpa pode desesperá-la, matá-la... Se você não iniciar agora, ninguém mais a amará como eu!
Então, precisamos encontrar o tal tempo para aprontarmos logo essa besteira juntas! Mais que amigas!
Isso pode piorar... Eu quero tocá-la! Mas como todo o gado de mulheres domesticadas, você vai para a sua casa servir o jantar ao marido... Isso dói demais porque tive de amá-la para me conhecer. Amá-la num tempo que nos permite ser apenas amigas... Apenas amigas...

Mesmo com tantos motivos
Pra deixar tudo como está
Nem desistir, nem tentar
Agora tanto faz
Estamos indo de volta pra casa...