Pular para o conteúdo principal

Entre amigas: a passividade do possível


Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso antes da Primeira Guerra... Pegando o seu eixo freudiano, sem a infelicidade, a frustração e o trauma, provavelmente não haveria cultura. Já interagiste com o Mal-Estar na Cultura?
M: Não, mas já trato de procurá-lo! Adoro Freud.
L: A fascinação pelos períodos difíceis deixa-nos revelar que o interesse pela felicidade é aparente. Há, sim, uma sedução pela tirania, pelo terror, pela morte e, consequentemente, pela infelicidade.
M: Mas agora, por favor, completa isso com João Cabral!
L: Ah, sim... – Sorri – “A felicidade dá trabalho!”
M: Este “trabalho” parece algo de mau-gosto...
L: Falar sobre felicidade foi se conduzindo para ser um estímulo à inveja, pois ainda é importante a pessoa manifestar certa dor existencial.
M: Felicidade é cultuada por alguns como sendo “falta de consciência”... Pois, se tomamos vista, por exemplo, os casos de miséria, fome, desigualdade e outros tais que indagam “por que você está rindo?” e ordenam com chantagem “você devia estar chorando!”, vimos que o ato de ser feliz tornou-se algo delituoso.
L: Por exemplo, por que os períodos de felicidade política, como na Grécia clássica, eram importantes, mas também períodos como o nosso, do individual, é causada pela “auto-ajuda”, já que hoje o indivíduo – desobedecendo Drummond – é mais importante que o coletivo?
M: Que perguntas mais tu recomendas? Amemos a ignorância!
L: Hahahaha... Amar é temer jamais. Isso cria uma epifania maravilhosa: pesquisa e textos bons! Ler é uma companhia enorme.
M: Perguntas interessantes com resultados difíceis, mas que sejam uma experiência permanente.
L: Tu sabes que esta experiência é chamada de Democracia, né?! Ela revela absolutamente a capacidade do ser humano de integrar a diversidade...
M: Temos a habilidade de criar história.
L: No entanto, sem escolher circunstâncias, não como bem entendemos, ao passo que diria Marx, e sim baseados naquilo que nos foi transmitido pelo passado.
M: ...
L: Bom, já é tarde. Vamos lá, precisamos ir e deixar segunda acontecer.

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Troca

Troco meus pensamentos em ti por um carinho teu. Pode ser pouco, mas é honesto.  Troco qualquer retrato que eu tenha feito do teu conhecido sorriso pelo teu conhecimento sobre o que eu sinto, mais a generosidade da tua compreensão.  Tua imagem poderia somente causar estremecimentos em mim, mas ela insiste em transbordar no mundo, ou, talvez, transformar o mundo através de qualquer abraço fora de hora, uma mensagem de apreço permeada de boas risadas, lembranças e uma despedida minha desculpada pelo tempo curto do meu labor ou por eu tentar mostrar a fingida vaidade de ser livre e sem propriedade. Mas te tenho um ato de amor. Amor que não sabes. Não sabes, mas troco minha vontade de ser guache na vida por um apego a ti. Mas te tenho afeto de janela aberta... Amor livre em que não me importa a aliança que carregas na mão esquerda de teu limite. Esquerda, involuntariedade cardíaca... Limite. Leio-te na cartomancia do teu matrimônio um Machado. Uma ironia pincelada com a tinta da galhofa …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …