Pular para o conteúdo principal

Somadas à prova proustiniana as perguntas realizadas (e lisonjeadas) aleatoriamente

Qual lugar mais seguro do mundo?
- Qualquer tempo em qu’eu esteja lendo Fernando Pessoa.

Qual celebridade você gostaria de passar o dia?
- Antônio Abujamra.

Você sempre soube?
- Que a felicidade é uma ideia velha.

Quando você disse “eu te amo” pela última vez?
- Eu nunca disse “eu te amo” pela última vez.

Quais são suas bebidas favoritas?
- Justamente as que causam hipertensão. Cicuta é uma delas.

Qual foi o pior lugar que você já esteve?
- Colégio Santa Maria.

Qual seu famoso bordão na sala de aula?
- “Dúvida, angústia, depressão, estresse?”

Você acredita de cada um tem sua alma gêmea?
- Depende do número dado pela expressão “cada um”.

Você tem tatuagem?
- Uso apenas henna, pois as figuras me entediam rapidamente. 

Quando foi a última vez que você chorou muito, copiosamente, durante todo o dia ou por vários dias?
- No velório do meu pai, há quase vinte anos.

Qual foi seu brinquedo favorito na infância?
- Um radinho a pilha.

Quem foi a última pessoa com quem você falou ao telefone?
- Com uma affair paulistana.

Você já se relacionou com mulheres (heterossexualmente) casadas?
- Sim, e ainda sim. Elas me procuram, eu as adoro. Aprendo muito com elas, aprendo isso de como a heterossexualidade é um palco para a hipocrisia.  

Mulheres jovens ou mais velhas?
- Mulheres de 40, adiante! Elas querem a sorte de um amor tranquilo, como aquela música, enquanto estou no tédio afanoso da rotina. Já se transformaram em melodia, enquanto aos trinta e poucos recém aprendi a compor.

Cite algo que você coma todos os dias?
- Doces. E em todas as refeições.

Qual sua missão de vida?
- Voar como um pombo, pois cagar e andar eu já sei. 

Qual o principal aspecto de sua personalidade?
- Fluir com a certeza.

Qual a qualidade favorita num homem?
- Morrer.

Qual a qualidade favorita numa mulher?
- O substantivo beleza.

O que mais aprecia nos amigos:
- Descontração suficiente para predicar valiosamente a confiança.

Qual seu principal defeito?
- Atingir a serenidade.

Qual seu passatempo favorito?
- Namorar.

Qual sua noção de felicidade?
- Que isso pode ser uma ideia velha.

Qual sua noção de infelicidade?
- Desequilibrar-se tropeçando no idealismo ou pisando fundo nos buracos do realismo.

Se você não fosse você mesma, quem seria?
- Aquela que as pessoas atingem idealmente com sua admiração ao me conhecerem.

Onde gostaria de morar?
- Já realizei este sonho.

Qual sua cor favorita?
- Todo branco-e-preto espaço para o diverso.

Qual seu escritor favorito?
- Depende do entusiasmo no qual me encontro.

Qual seu poeta favorito?
- Idem.

Qual seu herói favorito na ficção?
- Policarpo Quaresma.

Qual sua heroína favorita na ficção?
- Diadorim.

Quais seus pintores e compositores favoritos?
- Dali, Caravaggio, Gullar, Chopin, Korsakov e os que já fizeram de mim musa.

Quais seus heróis na vida real?
- Meus alunos.

Qual sua figura feminina favorita na história?
- Bolena.

Quais seus nomes favoritos?
- Aqueles dos quais me lembro do sorriso.

O que você mais odeia?
- Dificuldade em ser calma. Cheguei à hipertensão por isso.

Quais as figuras históricas que você mais odeia?
- Fálaris de Agrigento, Delphine LaLaurie, Carlos Lacerda.

Qual evento militar que você mais admira?
- O da banda marcial nas escolas.

Qual o talento natural que você gostaria de ter?
- Capacidade de acordar sem xingar o despertador.

Como você gostaria de morrer?
- Ida e sem despedida. Já sendo hipertensa, tenho grande chance!

Qual é seu estado mental atual?
- Ansiosa por ter pensado em mim durante as perguntas.

Por qual o defeito você tem menos tolerância?
- Aqueles que não me compreendo.

Qual seu lema favorito?
- “A letra não mata, a letra dá vida”.

Já que você admira Abujamra, responda, Larissa, o que é a vida?
- Uma imitação mal feita da morte.

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Troca

Troco meus pensamentos em ti por um carinho teu. Pode ser pouco, mas é honesto.  Troco qualquer retrato que eu tenha feito do teu conhecido sorriso pelo teu conhecimento sobre o que eu sinto, mais a generosidade da tua compreensão.  Tua imagem poderia somente causar estremecimentos em mim, mas ela insiste em transbordar no mundo, ou, talvez, transformar o mundo através de qualquer abraço fora de hora, uma mensagem de apreço permeada de boas risadas, lembranças e uma despedida minha desculpada pelo tempo curto do meu labor ou por eu tentar mostrar a fingida vaidade de ser livre e sem propriedade. Mas te tenho um ato de amor. Amor que não sabes. Não sabes, mas troco minha vontade de ser guache na vida por um apego a ti. Mas te tenho afeto de janela aberta... Amor livre em que não me importa a aliança que carregas na mão esquerda de teu limite. Esquerda, involuntariedade cardíaca... Limite. Leio-te na cartomancia do teu matrimônio um Machado. Uma ironia pincelada com a tinta da galhofa …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …