sexta-feira, 16 de junho de 2017

Crônica-epistolar: entre outras e todas

Sabes, pequena, alguns tesouros apenas reluzem no escuro, e, quando eu apaguei a luz, foi a tua voz que ouvi chamar. Sim, amada, a voz também reluz. Talvez seja uma premissa sábia assumir-se imensa em um segredo, embora triste. Falando de tristeza, deixa-me com ela. Falando disso, ponho aqui a palavra e na borda do copo qualquer clichê de amor mal-resolvido. Quando um amor que a gente inventa se transforma em piedade, crio um blues melodiando a minha ideologia: Senhor, dá-me coragem, porque esta carta seguirá cantando à Beija-Flor... O vocativo aqui és tu, em minha solitária confissão que te ilude, um dia.
Confesso, sim, que quisera eu te ter entre as minhas mãos e a cama, entre o agora e o sempre. Entretanto te tenho entre o talvez e o quase, entre um gole e uma mordida. Sim, pequena, morena, tem pena, eu quisera te ter entre os meus desatinos e minhas faturas, entre meus livros e controles, entre o trabalho e o domingo. Entretanto te tenho entre minha voz e um segredo, entre o escuro e o tato.
Eu, amada, que quisera te ter entre o inesperado e o ininterrupto, entre as improbabilidades, te tenho entre o esquecimento e a mentira, entre as anulações e as idiossincrasias. Sou a confissão que quisera te ter entrelinhas e entreolhares... E te tenho entre lapsos e o resto. Entre a falta e o medo. Entre outras e todas. Eu, que quisera te ter entre, te tenho dentro. 

Escondido num choro-canção...