Pular para o conteúdo principal

Entre a saudade e o verbo ir, o Número

Você ao quadrado: potência elevada à saudade e ao segundo.
Que seja a pressa minha amiga.
Rua Oscar Freire (Foto: Larissa Pujol)

Quando o resultado de toda equação somada, multiplicada entre velocidade, distância, data e batimento cardíaco se resultará em nós duas? Quando a pressa deixará de ser inimiga e passará a ser a sabedoria que não se importa com a perfeição, com qualquer cara de cansaço assim que chega ao aeroporto, correspondendo com afã beijante ao sentimento sincero da espera?
Saudade foi feita de cálculo. Mas, ao contrário, ela não é fria. Dias de numerosas contagens regressivas ou de resultados desistentes se a subtração das horas é também dividida com os decimais cotidianos da falta de tempo. É preço das passagens, é o acúmulo de novas frações para aproveitar cada segundo a espera de um lucro de afago.
Foi distância de estrada e de meses. Qual das duas parece ou diz que é impossível? Por qual delas chego primeiro? Se a fórmula sintetiza os passos, por que a abstração da solução não se aplica no método para alcançá-la? É resultado poético da tristeza. Geometria apenas para ser holograma do sincero aceite de estar só.
Dias, saudade, espera: palavras-chave. Quando eu me perco de mim, ela vai atrás para me trazer de volta, embora isso nos custe o que temos. Salva-me como pessoa colocando em risco o cálculo do seu próprio tempo. Ela se resulta numa prova de amor das mais belas. Ela me ama acima de nós. Acima das horas. Eu a amo acima de nós. Acima da espera de pegar o primeiro voo a São Paulo. E isso nos basta. E isso nos soluciona. E fim de cálculo (papo).  

Postagens mais visitadas deste blog

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…

Quando caçar carícias...

Por favor, caça-as sem consciência. Pois não há culpa mais reincidente que a claridade culminada num corte de saber o que se faz. Quando caçar carícias, sê a paz do menino-balão que se torna a metáfora da festa terminada, num canto da sala a esvaziar-se na murcha morbidez de um amor despedido com silêncio.
Quando caçar carícias, faz de corpo quente e coração castigado. Perdoa apenas a ressaca de se merecer no abandono. A paz do abandono. Há paz no abandono?
O mundo não abraça sem enjoo. Embora retorne, não existe certeza: mas se conhece! A cada alguém de único desconstrói a ilusão do ritmo particular na tal ideia viciada pelo amor de ficção. É inconsciente uso-amo da casa à elegia das ruas e da família... Quando caçar carícias, não troques o “eu te amo”.
Por favor, quando caçar carícias, prevê insônias! Afugenta sonhos! Tem um jeito torto de gostar. Sim, antes torto que paralelo, que nunca se encontra... E depois, a conversa fora para descontinuar o sono.
Quando caçar carícias, faz precis…