Pular para o conteúdo principal

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e oito, o calibre. Trinta e sete, o volume do som. Trinta e seis anos de casamento. Trinta e cinco portarretratos pela casa. Trinta e quatro, a idade da sua primogênita. Trinta e três, as pessoas da família que ela tem de disfarçar. Trinta e dois, a idade daquela que ama. Trinta e uma vezes repetindo monossílabos de fuga. Trinta bilhetes rasgados. Vinte nove segundos para mais uma bituca se queimar totalmente. Vinte e oito dias de solidão. Vinte e sete andares. Vinte e seis pétalas arrancadas das margaridas sobre a mesa: mal-me-quer. Vinte e cinco, o versículo. Vinte e quatro vezes que olhou para o celular. Vinte e três cores diferentes nos vitrais da sala. Vinte e dois, a temperatura. Vinte e um, a data no calendário. Vinte, faixa 20 do álbum “Como dizia o poeta”, de Vinícius de Moraes, “Soneto de amor total”: Amo-te a fim de um calmo amor prestante e te amo além, presente na saudade. Amo-te, enfim, com grande liberdade. Dentro da eternidade e a cada instante. Dezenove alternativas: desistir, dormir, esquecer, matar, sonhar, ligar, ir, deixar, parar, insistir, escrever, assumir, dançar, vomitar, mudar, fugir, comer, cantar. Morrer. Dezoito a linha, na página dezessete: Verifico que, tantas vezes alegre, tantas vezes contente, estou sempre triste, Fernando Pessoa, Livro do Desassossego. Dezesseis livros na estante, de escolha aleatória. Quinze frustrações. Catorze promessas a si mesma. Treze pontos contados no terço religioso em sua mão. Doze lâmpadas acesas. Onze passos até a janela novamente. Dez chamadas: caixa de mensagem. 99**-****. Oito dígitos... número decorado. Sete, o número que rege sua data de nascimento na Cabala. Seis metros do telefone. Cinco toques no violão da filha, suspenso na parede do quarto vazio. Quatro frases decoradas de quando a ouvia cantarolar. Três horas da manhã. Duas garrafas de uísque. Um, o tiro fatal no próprio peito.
Sessenta, os que choram no enterro.             

Postagens mais visitadas deste blog

“Com os olhos de comer fotografia”

Pedi-lhe uma fotografia de instante. Um registro daquela singela desfaçatez vaidosa e despreparo de pose. Os cabelos encaracolados, presos em um coque-amélia de subserviência, divagavam o caminho elíptico de lenta tessitura rendida de seus olhos fechados – quase fechados – um feixe ainda entregue ao meu foco estático que ela soubera fazer imagem, fazer cinema de mim! Em uma rápida censura, a educação de sua alvura diáfana assinou o nome de Fragonard: a young woman reading. Sua pele à fresca da modernidade foi a imediata poesia àquela obnubilada essência triste antes em meus olhos. Estes endureceram junto às digitais na tela e minha língua rija na cala sôfrega da virtualidade. O rosto que ela me permitiu era todo um corpo, um nascido afinado de pequenos detalhes que compunham uma outra mulher de contornados seios que me olham através da Íris mensageira dos deuses – conectando o mundano e o celeste para um átimo de relação amorosa full-screen – e de intensa cor – eram seus lábios vagin…

Todo dia (especialmente nesta semana)

Às pessoas que passavam por mim refutando o clima chuvoso com interjeição indagada de participação coletiva reclamante “ah, que horror, né?!” eu respondia “um dia de chuva é tão belo como um dia de sol. Ambos existem; cada um como é”, bonitos à sua maneira, propícios a diversas tarefas para quem não se esconde na queixa. Logo, algo que me chamara atenção veio da paciência dessas pessoas ao pararem silenciadas ante a lógica pessoana. Encontraram a raridade e em mim o halo dos desaparecidos? O sinal da escola soava, os carros passavam, o pátio era um odeon de premissas e pressas até que o espaço concreto se tornava o próprio ar de langorosas difusões de olhares e palavras, como a água corrente de efeito apenas seu e intransferível. Não era coisa esperada. Tampouco suas caras! A matéria parou. A matéria reflexiva, o guarda-chuva que não fechava, a pressa que cessava. Eu queria realmente aquele gesto em seus olhos – a aura após a cegueira. Pareciam, cada um a seu tempo, enfim, na companhi…

Crônica epistolar

“Oh, paulistinha bonita”, inicia a estrofe cantada por Teixeirinha à luz da união entre os dois estados cuja saudade atravessa a ponte sobre o rio da milonga. Oh, minha paulistinha bonita! Um elogio de mimético desembaraço desta que a beija e a escreve com toda guarda divina que sua pessoa me tenta. Oh, minha paulistinha que de tão bonita é sua desfaçatez quando lhe digo que você tem Angélica na cara... Deixando de lado os regozijos de uma “boca do inferno”, permeia-me a paz do convite a estar com você em meu colo com mimos de inha, tal qual a paisagem bucólica que cerceia a nudez feminina nas estampas dos lençóis sobre a cama desfeita. Meu odeon onde a cantiga sofre nas rimas de inha por todo carinho que lhe alcança nesta ponte. Paulistinha. Pequenininha. Um diminuto de tempo e espaço para que você caiba de amuleto no que posso chamar de meu. Eu a amo e ainda tenho tanto para amá-la... Amar como todas as épocas que divagam a poética pesquisa sobre amar e pecar, fugindo para qualquer ca…