Pular para o conteúdo principal

Obras publicadas





Detalhes:


Apesar de o título acima receber convites para publicação no fim dos anos 90, Larissa decidiu mantê-lo guardado para "possíveis comoções do passado", como afirmou em recente entrevista. Trata-se de poemas dedicados, cantarolados e interpretados, feitos entre seus 13 e 19 anos de idade. O livro é demarcado, ora pela iniciativa emocional "Faltas", "Aproveitos", "Agora, você dança com a poesia", ora pela marcha militar e o racionalismo exacerbado traduzido em simbologias, como "Um conto erótico, mas poético: Dona Cadela", "Gerimundo", "Ab-surdo", "Influências" e outros poemas. 
A autora aproveitou sua formação e aperfeiçoou a obra. Segundo a poeta, "apenas poli os versos. Alinhavei-os próximos da maturidade sem extrair a essência que lhe foi dada na época. Não seria justo, com o público e comigo, se o livro trouxesse vocábulos elaborados conforme o aprendido hoje, dez anos depois. Vivemos o fato, o que muda é a forma de contar". 
Dedicação exclusiva aos poemas de boa conversa, Versos Transeuntes são os traços mutantes entre a poeta e o seu público, inspiração formalizada em praças, locais de trabalho, bares e solitariamente. É o bom comportamento do verso ao desvario escrito num pedaço de papel. Observar os transeuntes e com eles criar diversos enredos entre o sorriso e a boca fechada. Os Verbos Ausentes são responsáveis pela liberdade da ação que contém a lógica de um relógio que marca o tempo certo do seu desenvolvimento, do seu fim e do seu desjejum.

Trechos avulsos:

... à ponta da caneta, 
as palavras giram o planeta
chamadas de monges velhos
do alto ao debaixo do inferno...  
(Palavras)


...Não escutas minha voz
Não sentes meu perfume
O tempo, ao invés de ser veloz, 
Parece que, ainda mais, te atrasa ao passado que nos une...
(Faltas)

...Vem, descansa teus sonhos comigo...
Num indo e vindo, embalo teu corpo junto ao meu,
Imitando o vento que atropela as árvores na tormenta...
(Rigoroso Inverno)


...Ratos da sanga, 
profanas tumbas
cantemos Chico!
Coturnos abertos
Pés roídos
Terra afofada pelas solas
Carcaças afofadas de tiros
(Coturnos)


...suicidou-se olhando a lua cega
como se lhe doasse os olhos...
Estava bêbado de lágrimas
Estava entorpecido de loucura

Ele não queria dividir sua lagoa com a chuva
resolveu disputar a lagoa
com seu sangue...
E este escorreu direto às águas paradas
Provou que a lagoa era sua!
(Gerimundo) 

O título está à venda nas seguintes livrarias:  












 



 




Ou diretamente com a autora pelo e-mail
pujol.larissa@gmail.com
(autografado e enviado por correio) 
(Formas de pagamento: depósito bancário ou transferência eletrônica)


Outros títulos
O Beijo da Boca-do-Céu e Outros Textos Provenientes do Siso 

Em Cada Esquina, Uma Cartola.

Em breve.
 

Postagens mais visitadas deste blog

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…

Mas aquele subterfúgio de te olhar casando...

Resistir, sofrer por antecipação isolando-se numa máscara de pausa tchekhoviana ao estender-se no palco dos teus olhos. O espetáculo é meu, mas antes lamurie para o meu silêncio a vaga dessa boca a estreitar-se do muito que lhe choro dentro de mim.
É uma oração! Clamo à Resistência na súplica a fim de que esse deus se convença e se infernize mais com o meu pensamento nela... Mas mais do ínferno satiriza-se o erro de não lhe falar... Mas não... A Resistência é a sabotagem da razão; um deus dela mesma que desta cruz na abertura dos seus braços a me saudar, eu fujo.
Que de boba eu não tenho um mínimo provérbio, apenas resisto. Amigo-me confortável no resquício laborioso igualmente assistido à sua palavra... Um fenômeno desfragmentado na sua verve sofista que mais crio a nós duas, futuramente.
Resistência: ela não quer. Desistência: ela me procura. Sigo-a. Ela fecha a porta. Não me deixa entrar.
Tenho de continuar a resposta para os lados... Não é o mesmo lugar quando outra se adora sobre o…