Pular para o conteúdo principal

Obras publicadas





Detalhes:


Apesar de o título acima receber convites para publicação no fim dos anos 90, Larissa decidiu mantê-lo guardado para "possíveis comoções do passado", como afirmou em recente entrevista. Trata-se de poemas dedicados, cantarolados e interpretados, feitos entre seus 13 e 19 anos de idade. O livro é demarcado, ora pela iniciativa emocional "Faltas", "Aproveitos", "Agora, você dança com a poesia", ora pela marcha militar e o racionalismo exacerbado traduzido em simbologias, como "Um conto erótico, mas poético: Dona Cadela", "Gerimundo", "Ab-surdo", "Influências" e outros poemas. 
A autora aproveitou sua formação e aperfeiçoou a obra. Segundo a poeta, "apenas poli os versos. Alinhavei-os próximos da maturidade sem extrair a essência que lhe foi dada na época. Não seria justo, com o público e comigo, se o livro trouxesse vocábulos elaborados conforme o aprendido hoje, dez anos depois. Vivemos o fato, o que muda é a forma de contar". 
Dedicação exclusiva aos poemas de boa conversa, Versos Transeuntes são os traços mutantes entre a poeta e o seu público, inspiração formalizada em praças, locais de trabalho, bares e solitariamente. É o bom comportamento do verso ao desvario escrito num pedaço de papel. Observar os transeuntes e com eles criar diversos enredos entre o sorriso e a boca fechada. Os Verbos Ausentes são responsáveis pela liberdade da ação que contém a lógica de um relógio que marca o tempo certo do seu desenvolvimento, do seu fim e do seu desjejum.

Trechos avulsos:

... à ponta da caneta, 
as palavras giram o planeta
chamadas de monges velhos
do alto ao debaixo do inferno...  
(Palavras)


...Não escutas minha voz
Não sentes meu perfume
O tempo, ao invés de ser veloz, 
Parece que, ainda mais, te atrasa ao passado que nos une...
(Faltas)

...Vem, descansa teus sonhos comigo...
Num indo e vindo, embalo teu corpo junto ao meu,
Imitando o vento que atropela as árvores na tormenta...
(Rigoroso Inverno)


...Ratos da sanga, 
profanas tumbas
cantemos Chico!
Coturnos abertos
Pés roídos
Terra afofada pelas solas
Carcaças afofadas de tiros
(Coturnos)


...suicidou-se olhando a lua cega
como se lhe doasse os olhos...
Estava bêbado de lágrimas
Estava entorpecido de loucura

Ele não queria dividir sua lagoa com a chuva
resolveu disputar a lagoa
com seu sangue...
E este escorreu direto às águas paradas
Provou que a lagoa era sua!
(Gerimundo) 

O título está à venda nas seguintes livrarias:  












 



 




Ou diretamente com a autora pelo e-mail
pujol.larissa@gmail.com
(autografado e enviado por correio) 
(Formas de pagamento: depósito bancário ou transferência eletrônica)


Outros títulos
O Beijo da Boca-do-Céu e Outros Textos Provenientes do Siso 

Em Cada Esquina, Uma Cartola.

Em breve.
 

Postagens mais visitadas deste blog

“Com os olhos de comer fotografia”

Pedi-lhe uma fotografia de instante. Um registro daquela singela desfaçatez vaidosa e despreparo de pose. Os cabelos encaracolados, presos em um coque-amélia de subserviência, divagavam o caminho elíptico de lenta tessitura rendida de seus olhos fechados – quase fechados – um feixe ainda entregue ao meu foco estático que ela soubera fazer imagem, fazer cinema de mim! Em uma rápida censura, a educação de sua alvura diáfana assinou o nome de Fragonard: a young woman reading. Sua pele à fresca da modernidade foi a imediata poesia àquela obnubilada essência triste antes em meus olhos. Estes endureceram junto às digitais na tela e minha língua rija na cala sôfrega da virtualidade. O rosto que ela me permitiu era todo um corpo, um nascido afinado de pequenos detalhes que compunham uma outra mulher de contornados seios que me olham através da Íris mensageira dos deuses – conectando o mundano e o celeste para um átimo de relação amorosa full-screen – e de intensa cor – eram seus lábios vagin…

Todo dia (especialmente nesta semana)

Às pessoas que passavam por mim refutando o clima chuvoso com interjeição indagada de participação coletiva reclamante “ah, que horror, né?!” eu respondia “um dia de chuva é tão belo como um dia de sol. Ambos existem; cada um como é”, bonitos à sua maneira, propícios a diversas tarefas para quem não se esconde na queixa. Logo, algo que me chamara atenção veio da paciência dessas pessoas ao pararem silenciadas ante a lógica pessoana. Encontraram a raridade e em mim o halo dos desaparecidos? O sinal da escola soava, os carros passavam, o pátio era um odeon de premissas e pressas até que o espaço concreto se tornava o próprio ar de langorosas difusões de olhares e palavras, como a água corrente de efeito apenas seu e intransferível. Não era coisa esperada. Tampouco suas caras! A matéria parou. A matéria reflexiva, o guarda-chuva que não fechava, a pressa que cessava. Eu queria realmente aquele gesto em seus olhos – a aura após a cegueira. Pareciam, cada um a seu tempo, enfim, na companhi…

Cada quadra representa uma saudade...

Hoje São Paulo despertou nebulosa, fria como a canção de Tom Jobim que busca o amor pela metrópole. No aeroporto, a bandeira a meio mastro, uma manhã nervosa. Eu também não queria ir, minha Sampa, mas eu te dedico: vou voltar, vou voltar! Uma música sabiá de canto melancólico e exilado, dos mais lindos silvos de Jobim, para este nosso até logo de futuro próximo feliz. Te amo, São Paulo. Sigo com o Tom, Querida. Longa é a tarde, ah, a tarde... Essa melancolia do dia, segundo José de Alencar; e nela, longa é a estrada de quem se despede... Não há sobejo de abraço quando o pranto carrega em si o lugar mais fundo para mergulhar. A forma imersa define a intimidade. O tempo permanece enquanto se acredita, mesmo com olhos náufragos no embaço da confiança, aliás, do amor. Permito-me a Sabiá de livre canto mais belo com tristeza. Os passos lentos de uma mórbida reação de ódio, ou de despeito, talvez de birra adolescente que desacorda com o dia que passa, e eu, nessa lida.