Obras publicadas





Detalhes:


Apesar de o título acima receber convites para publicação no fim dos anos 90, Larissa decidiu mantê-lo guardado para "possíveis comoções do passado", como afirmou em recente entrevista. Trata-se de poemas dedicados, cantarolados e interpretados, feitos entre seus 13 e 19 anos de idade. O livro é demarcado, ora pela iniciativa emocional "Faltas", "Aproveitos", "Agora, você dança com a poesia", ora pela marcha militar e o racionalismo exacerbado traduzido em simbologias, como "Um conto erótico, mas poético: Dona Cadela", "Gerimundo", "Ab-surdo", "Influências" e outros poemas. 
A autora aproveitou sua formação e aperfeiçoou a obra. Segundo a poeta, "apenas poli os versos. Alinhavei-os próximos da maturidade sem extrair a essência que lhe foi dada na época. Não seria justo, com o público e comigo, se o livro trouxesse vocábulos elaborados conforme o aprendido hoje, dez anos depois. Vivemos o fato, o que muda é a forma de contar". 
Dedicação exclusiva aos poemas de boa conversa, Versos Transeuntes são os traços mutantes entre a poeta e o seu público, inspiração formalizada em praças, locais de trabalho, bares e solitariamente. É o bom comportamento do verso ao desvario escrito num pedaço de papel. Observar os transeuntes e com eles criar diversos enredos entre o sorriso e a boca fechada. Os Verbos Ausentes são responsáveis pela liberdade da ação que contém a lógica de um relógio que marca o tempo certo do seu desenvolvimento, do seu fim e do seu desjejum.

Trechos avulsos:

... à ponta da caneta, 
as palavras giram o planeta
chamadas de monges velhos
do alto ao debaixo do inferno...  
(Palavras)


...Não escutas minha voz
Não sentes meu perfume
O tempo, ao invés de ser veloz, 
Parece que, ainda mais, te atrasa ao passado que nos une...
(Faltas)

...Vem, descansa teus sonhos comigo...
Num indo e vindo, embalo teu corpo junto ao meu,
Imitando o vento que atropela as árvores na tormenta...
(Rigoroso Inverno)


...Ratos da sanga, 
profanas tumbas
cantemos Chico!
Coturnos abertos
Pés roídos
Terra afofada pelas solas
Carcaças afofadas de tiros
(Coturnos)


...suicidou-se olhando a lua cega
como se lhe doasse os olhos...
Estava bêbado de lágrimas
Estava entorpecido de loucura

Ele não queria dividir sua lagoa com a chuva
resolveu disputar a lagoa
com seu sangue...
E este escorreu direto às águas paradas
Provou que a lagoa era sua!
(Gerimundo) 

O título está à venda nas seguintes livrarias:  












 



 




Ou diretamente com a autora pelo e-mail
pujol.larissa@gmail.com
(autografado e enviado por correio) 
(Formas de pagamento: depósito bancário ou transferência eletrônica)


Outros títulos
O Beijo da Boca-do-Céu e Outros Textos Provenientes do Siso 

Em Cada Esquina, Uma Cartola.

Em breve.