Pular para o conteúdo principal

Obras publicadas





Detalhes:


Apesar de o título acima receber convites para publicação no fim dos anos 90, Larissa decidiu mantê-lo guardado para "possíveis comoções do passado", como afirmou em recente entrevista. Trata-se de poemas dedicados, cantarolados e interpretados, feitos entre seus 13 e 19 anos de idade. O livro é demarcado, ora pela iniciativa emocional "Faltas", "Aproveitos", "Agora, você dança com a poesia", ora pela marcha militar e o racionalismo exacerbado traduzido em simbologias, como "Um conto erótico, mas poético: Dona Cadela", "Gerimundo", "Ab-surdo", "Influências" e outros poemas. 
A autora aproveitou sua formação e aperfeiçoou a obra. Segundo a poeta, "apenas poli os versos. Alinhavei-os próximos da maturidade sem extrair a essência que lhe foi dada na época. Não seria justo, com o público e comigo, se o livro trouxesse vocábulos elaborados conforme o aprendido hoje, dez anos depois. Vivemos o fato, o que muda é a forma de contar". 
Dedicação exclusiva aos poemas de boa conversa, Versos Transeuntes são os traços mutantes entre a poeta e o seu público, inspiração formalizada em praças, locais de trabalho, bares e solitariamente. É o bom comportamento do verso ao desvario escrito num pedaço de papel. Observar os transeuntes e com eles criar diversos enredos entre o sorriso e a boca fechada. Os Verbos Ausentes são responsáveis pela liberdade da ação que contém a lógica de um relógio que marca o tempo certo do seu desenvolvimento, do seu fim e do seu desjejum.

Trechos avulsos:

... à ponta da caneta, 
as palavras giram o planeta
chamadas de monges velhos
do alto ao debaixo do inferno...  
(Palavras)


...Não escutas minha voz
Não sentes meu perfume
O tempo, ao invés de ser veloz, 
Parece que, ainda mais, te atrasa ao passado que nos une...
(Faltas)

...Vem, descansa teus sonhos comigo...
Num indo e vindo, embalo teu corpo junto ao meu,
Imitando o vento que atropela as árvores na tormenta...
(Rigoroso Inverno)


...Ratos da sanga, 
profanas tumbas
cantemos Chico!
Coturnos abertos
Pés roídos
Terra afofada pelas solas
Carcaças afofadas de tiros
(Coturnos)


...suicidou-se olhando a lua cega
como se lhe doasse os olhos...
Estava bêbado de lágrimas
Estava entorpecido de loucura

Ele não queria dividir sua lagoa com a chuva
resolveu disputar a lagoa
com seu sangue...
E este escorreu direto às águas paradas
Provou que a lagoa era sua!
(Gerimundo) 

O título está à venda nas seguintes livrarias:  












 



 




Ou diretamente com a autora pelo e-mail
pujol.larissa@gmail.com
(autografado e enviado por correio) 
(Formas de pagamento: depósito bancário ou transferência eletrônica)


Outros títulos
O Beijo da Boca-do-Céu e Outros Textos Provenientes do Siso 

Em Cada Esquina, Uma Cartola.

Em breve.
 

Postagens mais visitadas deste blog

Prefiro uísque, ela vinho: a verve metafórica das idades

- Nota-se que nada está fora de lugar na minha casa. – Abri o uísque e o vinho, servi o copo e a taça.
- Exceto eu.
- Saúde.
- Ainda não entendo por que fazes tudo demasiado bem para o meu gosto...
- Digo-te “obrigada” ou lamento?
- Quem lamenta sou eu.
- Algo aprendi das mulheres – e que ainda não havia descoberto em mim – é que quando não se entende o porquê de suas palavras é que ela venceu a partida.
- Estou muito crescida para jogar.
- Não, não posso esquecer, já que a cada cinco minutos tu me lembras que és...
- Vinte e seis anos, Larissa!
- Vinte e seis?! Cara, eu pensei que era mais! Sério. Quando dizes: Ah, podias ter brincado com meus filhos... Ou, então, que minha idade se vive de sonhos e a tua de lembranças... Ou, “à tua idade não há nada impossível, a minha segue à espera d’um milagre, Larissa”. Sempre, sempre o mesmo! Sério, eu ju-ra-va que tu tinhas séculos a mais que eu!
- Que gênio prodigioso tens, professora Larissa. Característico da tua idade.
- Por que te afeta …

Entre amigas: a passividade do possível

Saímos e vagamos de Biquíni Cavadão: porque só isso nos restava após doze períodos de aula - uma preguiça à domingo, porque só isso nos restava enquanto a cidade morria mais um pouco. Fomos de chuva, à poça, à calçada quebrada, como Elis e Tom, ao fim do caminho. Um bar vagabundo e qualquer que vendesse um litro de Polar a seis reais. A luz da cidade apagou, e o bar, diferente dos sertanejos, desculpou-se e começou a gargalhar. Localizávamos no fim esconderijo do local, cobertas por aforismos filosóficos-literários, com Platão e Aristóteles somados a duas Polar sobre a mesa. O assunto do impossível ocorre:
L: O que nos mexe é a tragédia. Pensemos: por que não nos provoca certo orgasmo bisbilhoteiro nos interar da felicidade alheia? Porque o “insolucionável” nos move. O possível, cara amiga, nos leva à estabilização, à parada e à morte. O impossível é ativo.
M: Lembro-me de Quenau quando dizes isto. Ouve: A História é a ciência da infelicidade dos homens...
L: Cara, ele disse isso ant…

Puseram a culpa

Puseram a culpa na pedra. Nesta que a água tanto bate até que fura. Nesta que Drummond encontrou poesia pelo caminho. Nesta pela qual João Cabral construiu sua educação.
Tem uma chuva vinda de vez em quando para lhe escorrer temporais fios de cabelo. Um e outro pássaro que ali pousa enfeitando com asas a suposição pesada de voar. Pessoa que ali se escora, pisa, senta e evapora a própria condição concreta de ser humano.
A vegetação morre, a pedra ali espera. É iludida. Não tem consciência da morte. Tem como companhia o dia, a noite e todo sentimento que se despede. A pedra ali espera. Uma lufa lhe acaricia nunca a deixando só.
A sós com sua rija confiança, o elemento cinza, pesaroso ao olhar dos outros, não elenca na sua cegueira quem nela se deposita. Machuca, às vezes, quem a ela chuta, por pura educação primitiva de ser pedra.
Bem sabe ela do tempo. Não mais respira, mas aguarda e inspira. Morte dos outros apenas... Os minerais de Augusto dos Anjos já a permanecem sem que ela nasça. Os…