Pular para o conteúdo principal

Obras publicadas





Detalhes:


Apesar de o título acima receber convites para publicação no fim dos anos 90, Larissa decidiu mantê-lo guardado para "possíveis comoções do passado", como afirmou em recente entrevista. Trata-se de poemas dedicados, cantarolados e interpretados, feitos entre seus 13 e 19 anos de idade. O livro é demarcado, ora pela iniciativa emocional "Faltas", "Aproveitos", "Agora, você dança com a poesia", ora pela marcha militar e o racionalismo exacerbado traduzido em simbologias, como "Um conto erótico, mas poético: Dona Cadela", "Gerimundo", "Ab-surdo", "Influências" e outros poemas. 
A autora aproveitou sua formação e aperfeiçoou a obra. Segundo a poeta, "apenas poli os versos. Alinhavei-os próximos da maturidade sem extrair a essência que lhe foi dada na época. Não seria justo, com o público e comigo, se o livro trouxesse vocábulos elaborados conforme o aprendido hoje, dez anos depois. Vivemos o fato, o que muda é a forma de contar". 
Dedicação exclusiva aos poemas de boa conversa, Versos Transeuntes são os traços mutantes entre a poeta e o seu público, inspiração formalizada em praças, locais de trabalho, bares e solitariamente. É o bom comportamento do verso ao desvario escrito num pedaço de papel. Observar os transeuntes e com eles criar diversos enredos entre o sorriso e a boca fechada. Os Verbos Ausentes são responsáveis pela liberdade da ação que contém a lógica de um relógio que marca o tempo certo do seu desenvolvimento, do seu fim e do seu desjejum.

Trechos avulsos:

... à ponta da caneta, 
as palavras giram o planeta
chamadas de monges velhos
do alto ao debaixo do inferno...  
(Palavras)


...Não escutas minha voz
Não sentes meu perfume
O tempo, ao invés de ser veloz, 
Parece que, ainda mais, te atrasa ao passado que nos une...
(Faltas)

...Vem, descansa teus sonhos comigo...
Num indo e vindo, embalo teu corpo junto ao meu,
Imitando o vento que atropela as árvores na tormenta...
(Rigoroso Inverno)


...Ratos da sanga, 
profanas tumbas
cantemos Chico!
Coturnos abertos
Pés roídos
Terra afofada pelas solas
Carcaças afofadas de tiros
(Coturnos)


...suicidou-se olhando a lua cega
como se lhe doasse os olhos...
Estava bêbado de lágrimas
Estava entorpecido de loucura

Ele não queria dividir sua lagoa com a chuva
resolveu disputar a lagoa
com seu sangue...
E este escorreu direto às águas paradas
Provou que a lagoa era sua!
(Gerimundo) 

O título está à venda nas seguintes livrarias:  












 



 




Ou diretamente com a autora pelo e-mail
pujol.larissa@gmail.com
(autografado e enviado por correio) 
(Formas de pagamento: depósito bancário ou transferência eletrônica)


Outros títulos
O Beijo da Boca-do-Céu e Outros Textos Provenientes do Siso 

Em Cada Esquina, Uma Cartola.

Em breve.
 

Postagens mais visitadas deste blog

Contagem regressiva (e cíclica como o pesar de que a vida tem que continuar)

Sessenta, o ano daquele filme francês: À bout de souffle. Cinquenta e nove, o segundo anterior ao próximo longo minuto. Cinquenta e oito, os números na agenda. Cinquenta e sete, a idade. Cinquenta e seis, os batimentos cardíacos. Cinquenta e cinco, as fotos no celular. Cinquenta e quatro, os papeis embrulhados na gaveta. Cinquenta e três, o valor da última fatura. Cinquenta e dois, o bater impaciente das unhas na mesa. Cinquenta e um, cinquenta, a dúvida entre uma medida e outra. Quarenta e nove, o seu peso. Quarenta e oito, o número da música escolhida. Quarenta e sete, as vezes que passou as mãos no rosto impedindo as lágrimas. Quarenta e seis, os restos das mesmas unhas, agora roídas, em cada canto cuspido. Quarenta e cinco, o bolo no forno. Quarenta e quatro expirações de cigarro. Quarenta e três toques de salto alto. Quarenta e duas grades na janela. Quarenta e um, o final do último carro que passou. Quarenta metros de altura. Trinta e nove, as voltas giradas no cofre. Trinta e …

Improviso e emoções alheias

A noite passada sonhei com ela. Despertei e ficou aquela sensação de pseudo-esquecimento. Não tenho pensado nela, mas parece que alguma parte inconsciente insiste em mantê-la por perto. Acredito que, por vezes, a mente crudelíssima e o coração – misérrimo coitado – carregam a culpa.  Levei o gosto da injustiça e da contrariedade do tempo, por todo o dia, na boca e no processo digestório. Cheguei à minha casa e mantive as luzes apagadas. No entanto, a posição do saxofone, do microfone e da caixa de som no meu quarto sempre encontra e reflete qualquer raio de poste, de grades, de vizinhos, de luas. É propositalmente poético, eu sei. Tenho competência ao arquitetar emoção. Dirigi-me até o sax e cantarolei uma canção qualquer entremeando ainda em pé o dígito de algumas notas. Não era hora de tocar, quer dizer, mas eu gosto. Quem não? Apenas não sinto segurança, faço-o escondida e sozinha porque – creio que mais pela raridade que pela afinação – sempre que me apresento em público vira um …

Da minha criança (ou Tempo Presente)

E toda aquela infância
Que não tive (como as outras comuns)* me vem,
Numa onda de alegria
Que não foi de ninguém.

Questionei-me nesse último dia 12: por que falamos sempre da infância (ou nos referimos a ela) em tom casimiriano de tempo longínquo e nostálgico? Em meio a tantos livros, uma fábula audiovisual da Disney é a minha história favorita de criança: O touro Ferdinando. Esse protagonista que vivia em meio a um código predestinado e prenominado aos touros – agressividade, competição, intrepidez – porém se regrava a uma vida paciente, só e aprendendo o que é a liberdade de si mesmo. Continuou livre, paciente e só. Ferdinando marcou-me. Pelo tamanho da pele na completude sensível de sua alma. Ele era (e sou) eu em vida desde quando assisti ao desenho... Mesmo criada em meio ao tabu padronizado de beleza competitiva entre outras mulheres acomodadas que buscam do casamento ideal e perfeito às fofocas da família, era eu a fugidia desse círculo. Quando se davam conta que eu não estava ali…